O novo programa de governo do MDB, "Encontro com o Futuro", lançado na última terça-feira (22), junto com a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles à Presidência da República, condiciona a implantação de algumas políticas sociais à aprovação de medidas econômicas impopulares, como a reforma da Previdência, por exemplo.

O novo programa é considerado uma continuação do "Ponte para o Futuro", projeto lançado ainda no período em que PT e MDB não haviam rompido e Temer era o "vice decorativo" de Dilma.

Publicidade
Publicidade

O "Ponte para o Futuro", basicamente, é o programa de governo que está sendo implantado no País nesse exato momento.

Segundo o documento lançado essa semana, as políticas sociais precisarão ser reformadas. E completa dizendo que também será necessário o aumento de gastos. O que o "Encontro" chama de "espaço fiscal" só viria se o governo conseguisse aprovar a reforma da Previdência e dos Servidores Públicos, por exemplo.

O documento elaborado pelo MDB aproveitou para tecer críticas ao governo Dilma Rousseff.

O "Encontro" afirma que a partir da entrada de Michel Temer, o governo se "mobilizou" para recuperar a economia, gerar empregos e elevar a renda do brasileiro.

Leia tudo