Um dos ministros que é considerado extremamente "polêmico", Gilmar Mendes, muitas vezes uma incógnita, a partir de suas decisões tomadas e que geralmente repercutem intensamente perante à sociedade civil organizada, se manifestou a respeito de sua continuidade como magistrado da Suprema Corte brasileira, o Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO], presidido atualmente pela ministra Cármen Lúcia. Vale lembrar que Gilmar Mendes é alvo de críticas intensas por parte de parcela expressiva da população devido à "fábrica" de habeas corpus preventivos, já que ele livrou da prisão algumas autoridades que se encontravam acusadas de crimes relacionados à corrupção.

O mais recente exemplo que envolve a atuação de Gilmar Mendes [VIDEO] no Supremo Tribunal Federal (STF), trata-se da soltura nesta sexta-feira (11), de Paulo Vieira de Souza, conhecido popularmente como "Paulo Preto". Paulo encontrava-se detido, ao responder a diversas acusações baseadas em suspeitas de desvios de obras n aconstrução de trechos do Rodoanel Sul, além das rodovias Jacu Pêssego e a Nova Marginal Tietê, todas localizadas no estado de São Paulo.

As suspeitas que recaíram sobre Paulo Preto se referem a desvios bilionários em relação às obras supracitadas, cujas investigações da Polícia Federal levam a um grande esquema de corrupção e distribuição de propinas. Paulo Preto é acusado de ser o grande operador do PSDB, além de ter sido ex-diretor da Dersa, que opera o sistema de transportes em todo o estado de São Paulo.

Paulo Preto trabalhou ativamente durante os governos tucanos de José Serra, Geraldo Alckmin e Alberto Goldman, durante o período entre 2009 e 2011, exatamente à época em que foram averiguados os desvios de dinheiro público, em se tratando da realização de obras em rodovias paulistas.

Forte pressão

As decisões "estranhas" de Gilmar Mendes, como a mais recente, em se tratando da soltura de um dos principais acusados de práticas de corrupção, que é ligado ao PSDB, traz à tona uma revelação feita pelo próprio ministro Gilmar Mendes, por meio de entrevista recente concedida à Revista "Veja". O magistrado foi contundente ao revelar que sofre "pressão" por parte de sua família para se afastar da mais alta instância do Poder Judiciário do país; o Supremo Tribunal Federal.

Mendes afirmou que "seu filho costuma dizer antigamente, ao indagá-lo, em relação a quando Mendes iria para o Supremo". Gilmar Mendes, então, num gesto "surpresa", respondeu que hoje em dia, o questionamento de seu filho se refere, em relação "a quanto tempo que ele permanecerá na Suprema Corte, ao completar com a resposta ao filho de que se trataria de permanecer por doze anos". Entretanto, seu filho o avisou que "já se passaram doze anos".