O Comitê de Direitos Humanos, considerado um dos principais órgãos da Organização das Nações Unidas (ONU), se expressou de modo contundente em relação à situação criminal enfrentada pelo ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, nesta terça-feira (22). Vale ressaltar que o ex-mandatário petista encontra-se detido após responder à condenação por práticas criminosas de "colarinho branco", em se tratando de Corrupção passiva e lavagem de dinheiro, relacionados à aquisição ilegal de um apartamento de luxo Tríplex localizado em uma das áreas nobres da cidade de Guarujá, no litoral sul paulista.

A pena estimada para o petista é de mais de doze anos e um mês de cadeia em regime fechado. A sentença foi proferida pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela condução da maior operação anticorrupção em toda a história, a Operação Lava Jato, da Polícia Federal. O magistrado paranaense é o titular da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná.

Manifestação decisiva

A Organização das Nações Unidas foi enfática ao afirmar, através de seu Comitê de Direitos Humanos, a decisão de rejeitar o pedido impetrado pela defesa do ex-presidente Lula, em relação à suposta soltura do preso.

A ONU externou seu entendimento de que rejeita essa solicitação, em se tratando das medidas cautelares solicitadas pelos advogados de defesa de Lula. Entretanto o caso não estaria totalmente encerrado, já que uma avaliação completa de toda a situação do petista continua em andamento, desde o ano de 2016. Vale lembrar que a decisão do mais alto Comitê dos Direitos Humanos no mundo, se tornou um "balde de água fria" nas pretensões dos advogados lulistas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Um outro aspecto e fator preponderante a se ressaltar é que o governo brasileiro terá um prazo de aproximadamente seis meses para responder a questionamentos da entidade mundial, porem, caberá uma decisão final sobre o caso em meados de 2019. A porta-voz dos Direitos Humanos da ONU, Julia Gronnevet, foi categórica ao afirmar que "o Comitê de Direitos Humanos não concederá medidas cautelares no caso que se refere a Lula da Silva", segundo a porta-voz da maior instituição de países em todo o mundo.

Já o advogado de defesa de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirmou que "a ONU estaria investigando violações sobre o ex-presidente Lula e estaria alertando as autoridades brasileiras a respeito de qualquer ação que pudesse comprometer o julgamento". O ex-presidente Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, desde o dia 07 de abril deste ano para cumprimento de uma pena estipulada em mais de doze anos um mês de prisão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo