O Comitê de Direitos Humanos, considerado um dos principais órgãos da Organização das Nações Unidas (ONU), se expressou de modo contundente em relação à situação criminal enfrentada pelo ex-presidente da República [VIDEO] Luiz Inácio Lula da Silva, nesta terça-feira (22). Vale ressaltar que o ex-mandatário petista encontra-se detido após responder à condenação por práticas criminosas de "colarinho branco", em se tratando de Corrupção passiva e lavagem de dinheiro, relacionados à aquisição ilegal de um apartamento de luxo Tríplex localizado em uma das áreas nobres da cidade de Guarujá, no litoral sul paulista.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Lava Jato

A pena estimada para o petista é de mais de doze anos e um mês de cadeia em regime fechado. A sentença foi proferida pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela condução da maior operação anticorrupção em toda a história, a Operação Lava Jato [VIDEO], da Polícia Federal.

O magistrado paranaense é o titular da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná.

Manifestação decisiva

A Organização das Nações Unidas foi enfática ao afirmar, através de seu Comitê de Direitos Humanos, a decisão de rejeitar o pedido impetrado pela defesa do ex-presidente Lula, em relação à suposta soltura do preso. A ONU externou seu entendimento de que rejeita essa solicitação, em se tratando das medidas cautelares solicitadas pelos advogados de defesa de Lula. Entretanto o caso não estaria totalmente encerrado, já que uma avaliação completa de toda a situação do petista continua em andamento, desde o ano de 2016. Vale lembrar que a decisão do mais alto Comitê dos Direitos Humanos no mundo, se tornou um "balde de água fria" nas pretensões dos advogados lulistas.

Um outro aspecto e fator preponderante a se ressaltar é que o governo brasileiro terá um prazo de aproximadamente seis meses para responder a questionamentos da entidade mundial, porem, caberá uma decisão final sobre o caso em meados de 2019. A porta-voz dos Direitos Humanos da ONU, Julia Gronnevet, foi categórica ao afirmar que "o Comitê de Direitos Humanos não concederá medidas cautelares no caso que se refere a Lula da Silva", segundo a porta-voz da maior instituição de países em todo o mundo.

Já o advogado de defesa de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirmou que "a ONU estaria investigando violações sobre o ex-presidente Lula e estaria alertando as autoridades brasileiras a respeito de qualquer ação que pudesse comprometer o julgamento". O ex-presidente Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, desde o dia 07 de abril deste ano para cumprimento de uma pena estipulada em mais de doze anos um mês de prisão.