Lula ou Lula. Esse é o pensamento da ex-presidente da República Dilma Rousseff sobre o posicionamento que o Partido dos Trabalhadores, PT [VIDEO], deve adotar nas eleições presidenciais que se avizinham em 2018. Nesta semana, ela disse que a legenda não deve pensar em nenhum Plano B.

A fala de Dilma foi feita durante a participação de um evento de estudantes brasileiros em Londres. Na avaliação dela, se o PT [VIDEO] projetar o apoio a algum outro candidato estará, indiretamente, se afastando da narrativa de que Lula é inocente.

"Nesse momento seria absurdo discutir Plano B. Isso não quer dizer que eu não pense em outros candidatos fora do PT.

Isso é natural, pois teremos que passar o bastão para as novas gerações", salientou Dilma.

"Para essa eleição de 2018, nos enfraquecerá muito se o Lula não for o nosso candidato", concluiu, dando a entender que o PT poderia apoiar outro partido daqui a quatro anos.

Eleita pela primeira vez em 2010, Dilma Rousseff foi destituída do cargo de presidente por meio de um longo e turbulento processo de impeachment, que foi consumado em agosto de 2016, já no exercício do seu segundo mandato. Desde então, ela participa de fóruns e palestras pelo Brasil e pelo mundo mantendo a narrativa do "golpe".