Nelson Meurer do Partido Progressista do Paraná (PP/PR) foi condenado nesta terça (29) pela segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF).

Cinco ministros formaram o colegiado, e segundo os ministros Nelson cometeu crimes regularmente com a ajuda dos filhos, algumas vantagens indevidas recebidas do ex diretor de abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa e cujos valores foram transacionados em operação, também ilegal, pelo doleiro Alberto Youssef.

O colegiado também alegou que os filhos do deputado cometeram atos de Corrupção passiva, porém, o colegiado absolveu o caso de lavagem de dinheiro. O colegiado da 2ª turma do Supremo Tribunal Federal determinou que o deputado e seus filhos paguem uma indenização à estatal brasileira um valor de R$ 5 milhões.

Penas

Cristiano Meurer filho do deputado foi condenado pela 2ª turma a 3 anos e 4 meses de prisão, Cristiano não cumprirá pena porque o colegiado declarou que os crimes prescreveram.

Já o deputado foi condenado a 4 anos, 9 meses e 18 dias de prisão em regime semiaberto mais multa de R$ 56.000,00 corrigidos pela inflação.

O 1º com foro privilegiado condenado

É um caso histórico essa condenação de um político com foro privilegiado no STF. Há pouco mais de 3 anos chegava o primeiro caso da Lava Jato ao Supremo, foram 3 anos, de absolvições e ações protelatórios dos ministros colegiados do STF.

Segundo a denúncia que chegou ao Supremo juntamente com os primeiros inquéritos da Lava Jato, o deputado teria recebido cerca de R$ 29 milhões em mais de 90 repasses de R$ 300.000,00 operados pelo doleiro Alberto Youssef.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Governo

Edson Fachin, relator dos processos da Lava Jato, informou que os autos mostram que o Sr. Nelson Meurer recebeu pagamentos regulares, com ajuda dos familiares. A denúncia dizia também que Meurer recebia propina no valor de R$ 500.000,00 de "doação" eleitoral.

Porém, a maioria dos ministros não conseguiram provas suficientes para comprovação, votaram nesse sentido os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, Edson Fachin e Celso de Melo esses, respectivamente, votaram contra a decisão da anulação da denúncia.

"Uma transação às claras tem verniz de legalidade" disse o ministro Gilmar Mendes. Foi ele que desempatou a votação a favor da revogação da denúncia.

O deputado Nelson Meurer também segundo a denúncia, supostamente recebeu R$ 4 milhões em dinheiro físico para campanha eleitoral, o deputado foi absolvido dessa acusação pelos 5 ministros do colegiado no Supremo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo