Sepúlveda Pertence é um dos advogados de Lula. Em busca de uma alternativa para minimizar a temporada do ex-presidente petista na prisão, bem como de facilitar as articulações políticas para as Eleições 2018, o advogado pediu autorização para a prisão domiciliar.

Contudo, Cristiano Zanin, outro advogado do petista, desautorizou essa decisão e teve o apoio de outro colega, Eugênio Aragão. Ambos concordam em prosseguir com os trâmites que visa inocentar o ex-presidente.

Esse fator gerou divergências, e Sepúlveda não pôde colocar sua estratégia política em prática.

De acordo com o PT, Sepúlveda fez o pedido sem o conhecimento e autorização dos demais, isso culminou numa crise entre os advogados. Esse fator tem gerado insegurança aos membros do Partido dos Trabalhadores. Os petistas temem que tais divergências entre Zanin e Sepúlveda possam prejudicar a defesa de Lula frente ao STF.

Contudo, a advogada Valeska Martins, sócia e esposa de Zanin, nega que haja crise na defesa de Lula e afirma que são apenas divergências de estratégias.

O ex-ministro Eugenio Aragão, um dos advogados do PT, afirmou que não existe motivo cabível para o pedido de Sepúlveda e que “Lula não tinha nada que estar preso”, aceitar a prisão domiciliar seria o mesmo que confessar as acusações. De acordo com Aragão, o pedido de prisão domiciliar tiraria o caráter de perseguição que é alvo dos discursos da defesa do ex-presidente.

No momento, Sepúlveda Pertence decidiu se afastar da defesa de Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Eleições PT

Porém as últimas informações afirmam que o advogado pretende conversar pessoalmente com o ex-presidente para tomar sua decisão final.

Candidatura de Lula 2018

De acordo com a Lei da Ficha Limpa, Luiz Inácio Lula da Silva está impossibilitado de se candidatar, uma vez que, os condenados em segundo ou terceiro grau não podem concorrer a cargos eletivos.

A ministra do Supremo Tribunal Federal Carmem Lúcia adiou as pautas que tratam de assuntos referentes ao ex-presidente até o final de agosto, o que pode impossibilitar a candidatura do réu frente ao Supremo Tribunal Eleitoral, cujo prazo termina em 15 de agosto.

A defesa do petista tem buscado alternativas para que o caso Lula seja discutido antes do encerramento do prazo. A estratégia encontrada pela defesa propõe que a situação de Lula seja discutida pelo TSE, contudo o recurso pede a suspensão dos efeitos da condenação no TRF da 4ª região, incluindo a inelegibilidade. O pedido está sendo analisado pelos ministros.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo