Se engana quem pensa que Lava Jato é coisa do passado. Agora, quem está na "berlinda" é a atual presidente do partido de Lula, o PT (Partido dos Trabalhadores). Foi determinado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) por meio de marcação do ministro Lewandowski, o julgamento da senadora Gleisi Hoffmann, seu marido Paulo Bernardo, também filiado ao PT, e o empresário do casal, Ernesto Kugler Rodrigues. A liberação foi feita pelo ministro Celso de Mello, neste caso em específico.

Publicidade
Publicidade

O caso envolve o MPF (Ministério Público Federal), que acusa a senadora de ter recebido propina para sua campanha ao senado no ano de 2010 no valor de R$ 1 milhão.

Com foro privilegiado, a petista já é ré desde o ano passado (2017) por Corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A origem desse dinheiro seria ilícita segundo consta nas acusações, partindo da Diretoria de Abastecimento da Petrobras na época. O dinheiro desviado da petrolífera teria supostamente chegado às mãos do empresário, parcelado em 4 vezes.

Publicidade

"Não tem jeito. Enquanto a turma do PT não se filiar ao PSDB não tem escapatória.", afirmou um internauta.

"Ainda tenho dúvidas se a lei vale para todos. A impressão que tenho é de estar assistindo a um jogo de xadrez em que uma das partes abre suas defesas para desferir um xeque-mate. [...]", disse outro.

Continuação se deve à liberação de processos no STF de investigações da Operação Lava Jato

Apesar de a Operação Lava Jato ter iniciado em 2014, os resultados de esquemas de corrupção ainda continuam a aparecer.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

Neste caso da senadora, a ligação é feita com as irregularidades da Petrobras. Na corte, a 2ª turma deverá ser composta por Gilmar Mendes, Edson Fachin e Dias Toffoli.

Gleisi Hoffmann e seu marido Paulo Bernardo deverão comparecer ao STF na próxima terça-feira (19).

Gleisi Hoffmann reclama de moldes da Lava Jato; a presidente do PT, o marido Paulo Bernardo e o empresário do casal devem responder

A senadora reclamou em nota dizendo estar sofrendo perseguição por causa do PT.

Ela culpa a negociação de benefícios que criminosos já condenados estão realizando, o qual chama de delações mentirosas, e alegou ainda não existirem provas e nem indícios contra ela, mesmo com as acusações do MPF.

O empresário do casal teria recebido dinheiro do doleiro Alberto Youssef. O valor seria para manter Paulo Roberto Costa, na época, na diretoria da Petrobras.

Se condenados, ambos se tornam inelegíveis pela Lei Ficha Limpa. A presidente do PT alegou ainda que muitos são acobertados pela Lava Jato.

Publicidade

A senadora chamou a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) de escandalosa.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo