A reunião desta terça-feira (12) entre o presidente norte-americano Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-Un parece ter saído dentro dos conformes diplomáticos citados pelo Secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo [VIDEO] citadas em uma entrevista coletiva concedida à jornalistas [VIDEO] na cúpula antes do encontro à sós. Ambos os líderes de Estado deram um passeio um tanto agradável pelos principais pontos turísticos de Cingapura. Como esperado, o encontro foi amistoso [VIDEO]; ainda nesta terça pela manhã, o presidente Donald Trump concedeu uma coletiva à imprensa direto da ilha de Sentosa em um luxuoso hotel. Trump pareceu satisfeito.

Mesmo antes de se iniciar a conversa os dois caminharam um em direção ao outro com um certeiro aperto de mão e um leve toque de Trump, ao lado do braço de Kim Jong-Un, denotando certa confiança, procurando passá-la também a toda a mídia ali presente, ao caminhar para o lado do norte-coreano, Trump convidou o mesmo a se encaminhar para a sala onde a conversa entre eles se iniciaria sobre os assuntos pertinentes.

Presidente Trump e Kim Jon-Un assinam os devidos documentos

Os documentos em questão seriam acordos referentes à desnuclearização da península coreana, acordo de paz, e acordos comerciais, alguns ainda afirmam que os EUA tenham desembolsado muito dinheiro, a questão econômica também foi tratada.

"Estamos assinando documentos muito importantes, um documento bem compreensível!" ressaltou Trump enquanto os livros eram colocados na mesa.

"Nós tivemos um bom relacionamento" disse, pontuando o tempo que passaram conversando: "um pouco menos de duas horas".

Donald então dá a palavra a Kim, que diz: "Nós tivemos um encontro histórico e decidimos deixar o passado para trás e estamos prestes a assinar um documento histórico [...] e detalhou: "Eu quero expressar minha gratidão ao presidente Trump por fazer esta reunião acontecer".

Após o agradecimento do norte-coreano ambos sacaram as canetas e assinaram os devidos documentos, com breves falas de cordialidade diplomática.

Donald Trump conta em coletiva um pouco sobre o que achou da conversa com Kim

Na coletiva, transmitida inclusive pela Casa Branca, Trump estava com um tom de voz tranquilo, e demonstrou-se otimista quanto à conversa com Kim, mostrando seu lado diplomata, ao contrário do que a grande mídia tem tentado mostrar de sua pessoa, que acaba de quebrar um tabu de mais de meio século.

Embora possa haver uma certa influência da Rússia e China na questão, o principal foi acordado.

Trump não levou muito em consideração o que disse um repórter ao ser questionado sobre apertar a mão de um ditador que oprime seu próprio povo: "O senhor entende isso?" perguntou o jornalista, "- Sim, sim, melhor do que você acha" disse em tom calmo, pedindo para passar para a próximo.

No geral o presidente dos EUA utilizou-se da diplomacia e negociação. Aparentemente tranquilo, respondeu mais algumas perguntas na coletiva e acenou com sentimento de missão cumprida, pelo menos por hora.