Um apartamento em Guarujá, litoral de São Paulo, tem sido citado em uma ação sobre a divisão da herança da esposa falecida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marisa Letícia. Os direitos sobre esse imóvel têm relação com o triplex, que foi o fator alvo da condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro através da sentença do juiz federal Sérgio Moro.

Conforme as informação publicadas no Portal UOL, entre 2005 e 2009, Marisa chegou a pagar algumas parcelas do imóvel que estava sob a responsabilidade da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários).

Por motivos financeiros, a Bancoop acabou repassando todo o empreendimento para a construtora OAS.

Os dirigentes da construtora deram duas opções para quem havia pago as parcelas: a devolução de todo o dinheiro ou a possibilidade de adquirir uma outra unidade, utilizando, assim, os valores já pagos para a Bancoop.

De acordo com as informações da defesa do ex-presidente, Marisa queria adquirir uma outra unidade, porém, em 26 de novembro de 2015, ela teria solicitado a devolução de todo o dinheiro pago para a Bancoop.

No caso, a OAS tinha que devolver R$ 320,9 mil para ela. De toda essa quantia, a metade ficaria com Lula e a outra parte dividida para os quatro filhos do casal. Cada um ficando com R$ 40,1 mil.

Investigações da Lava Jato

A construtora OAS foi um dos alvos da Operação Lava Jato. Ela foi acusada de ter beneficiado Lula com um triplex de 215 m², que fica no mesmo Edifício Solaris, onde está o apartamento alvo da divisão da herança.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Como contrapartida, a empresa teria vantagens ilícitas em contratos com a Petrobras e Lula seria um dos responsáveis para que esse esquema de corrupção desse certo.

Na concepção do juiz Sérgio Moro, da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e do Ministério Público Federal (MPF), o triplex é de Lula, mesmo ele estando registrado no nome da OAS.

No mês de julho, o juiz que cuida da parte da herança da ex-primeira-dama falecida, Carlos Henrique André Lisbôa, questionou a defesa do petista se já havia sido julgado a ação que trata sobre a dívida da OAS com Marisa. Os advogados ainda não se manifestaram no processo sobre a divisão dos bens.

Desconfiança

Segundo informações do site o Antagonista, os procuradores estariam desconfiados sobre alguns erros encontrados no processo de inventário. Um dos exemplos é a real quantidade de cotas que Marisa tinha em um fundo imobiliário do Bradesco. Eles falam em 500 e não 500 mil como foi informado originalmente.

Um outro detalhe destacado é sobre a inclusão do LulaRetificaPartilha de previdência privada (VGBL), que somam R$ 9 milhões.

O MPF ainda não tem certeza se os filhos do ex-presidente teriam direito sobre esse montante.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo