A Ministra Cármen Lúcia assumiu, na manhã desta terça-feira (17), a Presidência da República do Brasil, devido a compromissos importantes dispostos na agenda [VIDEO] do então Presidente Michel Temer que viajou para a África onde deve participar de uma conferência da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), composta por 9 países, incluindo o Brasil. Segundo a Agência Brasil, a nomeação de Temer à jurista Cármen Lúcia aconteceu na Base Aérea de Brasília (BABR), e com o ato legal a Ministra deve permanecer Presidente do Brasil [VIDEO] pelo menos até o retorno de Temer ao país, que deve ocorrer em dois dias.

Publicidade
Publicidade

A conferência internacional que reúne países que falam a língua portuguesa, e que está em sua 12ª edição, ocorre em um lugar exótico: a Ilha do Sal.

A ilha faz parte do grupo do Barlavento do país de Cabo Verde, uma das menores ilhas habitadas do continente africano. Lá, Temer deve se reunir com os chefes de Estado e de Governo dos países de Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Publicidade

Não é a primeira vez

Essa não é a primeira vez que Temer deixa a jurista Cármen Lúcia no comando da Presidência da República.

Em uma situação semelhante a essa, quando Temer viajou para o Peru, onde participou da reunião da Cúpula das Américas, a Ministra foi empossada, ficando em seu lugar igualmente até o retorno. Esse fato ocorreu na segunda semana de abril de 2018, respectivamente nos dias 13 e 14.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Michel Temer Eleições

Mesmo sendo 3ª na linha de sucessão à Presidência, Cármen Lúcia assume por conta de legislação eleitoral

Pela sequência natural da ordem de sucessão interina no comando do país, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do DEM- RJ (Democratas), é quem deveria assumir interinamente, caso o país não estivesse passando por um período eleitoral.

Já Eunício de Oliveira (Presidente do Senado Federal do Brasil) seria o 2º, e a Ministra do Supremo, Cármen Lúcia, a 3ª.

Como já dito, isso não ocorreu devido à legislação eleitoral, que impede que os mesmos assumam cargos do Executivo nos primeiros 6 meses antecedentes às eleições.

Em setembro, a Ministra Cármen Lúcia deve assumir o lugar de Dias Toffoli na Corte da 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal), isso se o ministro não for impedido de presidir o Supremo, já que corre contra ele uma petição popular, um abaixo-assinado impetrado pelo jurista Modesto Carvalhosa, na semana passada.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo