O ex-ministro do Partido dos Trabalhadores (PT), Antonio Palocci, conseguiu fechar acordo de delação premiada com a Polícia Federal. Depois de tantas tentativas, o ex-ministro finalmente poderá contribuir com as investigações. A expectativa é que crimes envolvendo o PT sejam esclarecidos. Palocci era próximo ao ex-presidente Lula e atuava como chefe da Casa Civil. O ex-ministro se tornou o intermediário em fechamento de contratos da Petrobras com a empreiteira Odebrecht.

Nesta última quinta-feira, 5 de junho, o jornal investigativo "O Antagonista" revelou comentários de Antonio Palocci sobre o caso do ex-prefeito da cidade de Santo André, Celso Daniel. Em negociação com a PF, Palocci disse que o PT não tem nenhum vínculo com a morte do ex-prefeito. Até hoje, o caso de Celso Daniel é um incógnita sem previsão para ser resolvida. O ex-prefeito faleceu em 2002 decorrente um assassinato.

Segundo "O Antagonista", Palocci teria descartado o vínculo do PT com o caso. Na versão dada como oficial, Palocci teria defendido que o empresário Sérgio Gomes da Silva, conhecido como "Sombra", planejou a morte do político. Em 2002, logo após o falecimento de Celso Daniel, Palocci herdou o posto de coordenador da campanha de Lula.

Processo contra sombra

Em dezembro de 2014, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal anulou o processo contra Sombra.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Os votos dos ministros Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli, que na época constituía a Primeira Turma, foram fundamentais.

Sombra faleceu em 2016, ele lutava contra um câncer. O seu advogado, Roberto Podval, afirmava que o cliente era inocente e sem nenhum vínculo com a morte do ex-prefeito de Santo André.

TRF-4 homologa delação e abre espaço para novas investigações na Lava Jato

A esperada delação de Palocci poderá abrir novas investigações na Operação Lava Jato.

Conforme revelações do ex-ministro, a Polícia Federal poderá se motivar para abrir novos procedimentos investigativos. Palocci está preso desde 2016 e a tentativa da colaboração é para diminuir seu tempo na cadeia. No entanto, como fechou a delação pela PF, só após o final do processo é que será analisado algum benefício ao ex-ministro.

A PF deixou claro que só será concedido benefícios caso Palocci colabore com temas importantes e que façam diferença nas investigações.

Como "O Antagonista" apurou, no caso de Celso Daniel a versão oficial foi mantida.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo