O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Velloso, 82 anos, afirmou que as recentes polêmicas dos ministros do STF podem ter sido o impulso para que o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), se decidisse pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Para o ex-ministro da Corte, a postura de alguns ministros do STF de não respeitarem a decisão do colegiado é um mau exemplo, que acaba surtindo em outros tribunais.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Sergio Moro

A votação feita no Plenário do STF deve ser protagonista de todos os argumentos da Corte e as decisões monocráticas ou até mesmo da Segunda Turma não podem "abafar" o que foi decidido por todos.

Velloso viu a conduta do juiz federal Sérgio Moro [VIDEO] correta, ou seja, sem nenhuma irregularidade. O despacho do juiz acontecendo, mesmo ele estando de férias, mostra que ele está preocupado com a situação da Justiça no país. "Um juiz vocacionado é um juiz 24 horas por dia", disse o ex-ministro que já presidiu o STF e o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Atitude estranha

Carlos Velloso considerou estranha a insistência do desembargador Rogério Favreto em querer soltar Lula [VIDEO]. O plantonista não se ateve ao fato de que o relator do processo, Gebran Neto, é a favor da manutenção da prisão do petista. De acordo com o ex-ministro, o pedido do desembargador foi uma afronta ao colegiado do TRF-4. Outro detalhe observado por ele é por que Favreto não esperou que chegasse segunda-feira para proferir a sua decisão.

Segundo Velloso, é lamentável que essas coisas ainda ocorram na Justiça. Alguém espera um juiz plantonista para impetrar um habeas corpus e ter a certeza de que vai conseguir algo. "Isso é velho e conhecido na Justiça", disse ele.

Supremo

Velloso acredita que o STF tem tomado decisões que acabaram desfigurando o tribunal. Aos olhos da sociedade, isso é algo péssimo. O Supremo é visto como um tribunal de segunda classe para muita gente.

Para o ex-ministro da Corte, os ministros atuais do STF têm sido mau exemplo para todos os outros tribunais de instâncias inferiores. Velloso afirmou que já foi vencido em várias votações e, nem por isso, desrespeitou a decisão de toda a Turma. Ao decidir tal assunto, ele enfatizava seus argumentos contrários, mas votava em concordância com a jurisprudência do STF.

Para ele, hoje o tribunal é como uma loteria. Se cair com tal ministro acontece uma coisa, se cair com um outro, se espera uma visão diferente e isso só tende a desmoralizar o Supremo. "Não podemos ter 11 supremos tribunais".