Tido como o consultor político do presidenciável Jair Bolsonaro do PSL (Partido Social Liberal), o general Hamilton Mourão do PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro) expôs o que pensa sobre parte dos eleitores do capitão, para a Agência Estado nesta quinta-feira (26). Hamilton Mourão contrapôs os mais acalorados, e saiu em defesa da advogada Janaína Paschoal dando razão a ela e enfatizando a união que o Brasil tem que ter.

Segundo Mourão, o país tem que se unir e não ser extremista. A contraposição de Hamilton se refere ao discurso de Janaína Paschoal realizado na convenção do PSL no último domingo (22).

Na entrevista, o general do exército citou por diversas vezes a palavra radicalismo, demostrando com isso certo incômodo com uma parcela dos eleitores de Bolsonaro que se opuseram a Janaína Paschoal devido ao discurso da mesma que bateu em certos pontos diretamente de uma forma contundente e frontal com o imaginário da formação da direita, porém um pouco radical demais até para os mais conservadores.

Um general sem papas na língua

Mourão não teve papas na língua, para ele o radicalismo de alguns eleitores de Bolsonaro em relação ao discurso de Janaína foi meio que "boçal", segundo as suas próprias palavras.

Para o general, o candidato precisa se abrir para uma parcela do eleitorado, comunicar-se com ele. Um tanto 'duro', Hamilton disse que tanto a esquerda como a direita tem os extremos e deixou claro que não é os extremos que quer, fazendo analogias ao PT (Partido dos Trabalhadores).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Eleições

Na convenção, Janaína pediu inclusive para que não houvesse excessos por parte dos presentes. No geral, quem estava no evento até aplaudiu a advogada, apesar disso, o discurso não agradou a todos. Um exemplo foi o descontentamento do professor Olavo de Carvalho, respeitado no meio da direita conservadora por seus conhecimentos.

Discurso do professor Olavo teria incitado ainda mais a resistência de uma parcela de eleitores de Bolsonaro contra Janaína

O filósofo sugeriu que Janaína fosse uma suposta infiltrada do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), ou que simplesmente estava ali por ter uma ideologia Psdbista, por consequência, alguns seguidores de Olavo também mantiveram a resistência contra o belo discurso da advogada.

Tanto o professor quanto a advogada chegaram a trocar farpas, o que por parte de Janaína não durou muito, porém alguns alunos do professor mantiveram o discurso duro, o que claramente mostrou os eleitores que Bolsonaro têm tanto normativos quanto os mais radicais, este último, em pequena parcela, ao menos acredita-se.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo