O advogado Hélio Bicudo, fundador do Partido dos Trabalhadores, morreu hoje (31) na sua residência, em São Paulo. O jurista tinha sua saúde fragilizada desde que sofreu um AVC, em 2010.

Hélio Bicudo era ativista dos direitos humanos e também foi governador do estado de São Paulo pelo período de dois mandatos (1991-1999), além de ter sido vice-prefeito da cidade de São Paulo entre os anos de 2001 e 2005.

Origem

Hélio Bicudo é natural do município de Mogi das Cruzes - SP, tendo nascido no dia 5 de julho de 1922. aos 20 anos, ingressou na faculdade de direito, tendo se formado quatro anos depois, com o título de bacharel em Ciências jurídicas e sociais.

Em seguida Bicudo ocupou vários cargos ligados à política, como Chefe da Casa Civil do governo estadual de São Paulo.

Partido dos Trabalhadores

Hélio Bicudo ingressou no PT no ano de 1980, logo após o fim da política do bipartidarismo que estava vigente no Brasil. Dois anos depois, em 1982, concorreu ao cargo de vice-governador de São Paulo, na chapa comandada por Luiz Inácio Lula [VIDEO]da Silva, mas não obtiveram êxito.

Conseguiu se tornar Deputado federal nas Eleições de 1990, após ter sido derrotado na campanha de a986, quando concorreu para o cargo de Senador. Como deputado, votou, em 1992, a favor do processo de Impeachment do então presidente da república Fernando Collor. Nas eleições de 1994, Bicudo foi reeleito deputado.

Depois de cumprir seu último mandato de deputado, foi eleito vice-prefeito de São Paulo nas eleições municipais de 2000, compondo a chapa encabeçada por Marta Suplicy (PT), permanecendo no cargo até 2005.

Saída do PT

Ainda no ano de 2005, após o escândalo do mensalão, que acabou condenando alguns líderes do PT, Bicudo anuncio seu desligamento do partido. Depois que deixou o partido em que permaneceu por 25 anos, não se filiou-se a nenhum outro.

Bicudo passou a ser um grande opositor do PT nas eleições seguintes, tendo apoiado a candidata Marina Silva (Filiada ao PV na época) no primeiro turno, e Jose Serra (PSDB) no segundo turno das eleições presidenciais de 2010. Na ocasião a candidata do PT Dilma Rousseff acabou saindo vencedora.

Impeachment de Dilma Rousseff

Argumentando que a Presidenta Dilma [VIDEO]Rousseff teria cometido um crime de responsabilidade, Hélio Bicudo, apresentou a Câmara dos Deputados, em setembro de 2015, um pedido de impeachment contra a mesma. Os motivos para o afastamento de Dilma que constavam no documento eram as "pedaladas fiscais", a Operação Lava Jato e a compra, por parte da Petrobras, da refinaria de Pasadena, na Califórnia.

O processo foi acatado por Eduardo Cunha, então presidente da Câmara, e em agosto de 2016 Dilma teve o seu mandato cassado e a presidência da republica foi assumida por Michel Temer (PMDB).