Com a recusa do senador Magno Malta (PR-ES), que preteriu o cargo de vice para concorrer à reeleição ao Senado, o presidenciável Bolsonaro abriu diálogo com o general da reserva Augusto Heleno Ribeiro Pereira (PRP-DF). O general, que já havia declarado apoio ao pré-candidato do PSL à presidência, aceitou o convite e chegou a afirmar que estava pronto para a missão.

O general Augusto Heleno e Jair Bolsonaro são velhos conhecidos do Exército brasileiro.

Publicidade
Publicidade

o presidenciável foi cadete de Heleno quando integrava as Forças Armadas.

Com o aceite do general, o PSL esperava anunciar a aliança em reunião ocorrida na noite desta terça-feira (17), entretanto, os caciques do PRP, partido ao qual o general é filiado, notificaram Bolsonaro de que a aliança não poderia ser consolidada, sob o argumento de que o partido já havia assumido alguns compromissos regionais que inviabilizariam a aliança em âmbito nacional com o PSL de Bolsonaro.

Publicidade

Dentre as alianças, a que mais sugere o impedimento de uma chapa entre o PRP do general Heleno e o PSL de Bolsonaro é a ocorrida no estado da Bahia, onde o PRP fechou com o petista Rui Costa, que disputará a reeleição ao governo do estado.

Bolsonaro saiu do encontro bastante frustrado com a decisão tomada pelo PRP, alegando que o seu partido tentou de todas as maneiras fechar o acordo, chegando até mesmo a oferecer apenas uma aliança nacional, o que significa que os partidos teriam autonomia para as alianças estaduais, mas a possibilidade também foi descartada pelo PRP.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Eleições

Após as duas recusas, o PSL volta a pensar no nome da advogada Janaína Paschoal

Com a dificuldade do PSL em encontrar um vice para Jair Bolsonaro, o partido deve olhar para seus quadros e o nome da advogada Janaína Paschoal, filiada ao partido, ganha força. A advogada ganhou notoriedade por ter sido uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ao lado dos juristas Miguel Reale Júnior e Hélio Bicudo.

Janaína Paschoal participou ativamente de toda tramitação do processo na Câmara dos Deputados e no Senado.

Em abril de 2016, em discurso na faculdade da USP, a advogada proferiu discurso exaltado ao dizer que Deus havia mandado uma legião para cortar as asas de cobras que teriam se perpetuado no poder. O colega Hélio Bicudo classificou o discurso como uma exaltação cívica de quem tem temperamento explosivo.

Publicidade

O PSL tem até o dia 5 de agosto para definir o vice de Bolsonaro e o próprio pré-candidato diz que tudo pode acontecer, inclusive fazer sua campanha com apenas 7 segundos de propaganda eleitoral na TV.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo