Com a recusa do senador Magno Malta (PR-ES), que preteriu o cargo de vice para concorrer à reeleição ao Senado, o presidenciável Bolsonaro abriu diálogo com o general da reserva Augusto Heleno Ribeiro Pereira (PRP-DF). O general, que já havia declarado apoio ao pré-candidato do PSL à presidência [VIDEO], aceitou o convite e chegou a afirmar que estava pronto para a missão.

O general Augusto Heleno e Jair Bolsonaro são velhos conhecidos do Exército brasileiro. o presidenciável foi cadete de Heleno quando integrava as Forças Armadas.

Com o aceite do general, o PSL esperava anunciar a aliança em reunião ocorrida na noite desta terça-feira (17), entretanto, os caciques do PRP, partido ao qual o general é filiado, notificaram Bolsonaro de que a aliança não poderia ser consolidada, sob o argumento de que o partido já havia assumido alguns compromissos regionais que inviabilizariam a aliança em âmbito nacional com o PSL de Bolsonaro.

Dentre as alianças, a que mais sugere o impedimento de uma chapa entre o PRP do general Heleno e o PSL de Bolsonaro é a ocorrida no estado da Bahia, onde o PRP fechou com o petista Rui Costa, que disputará a reeleição ao governo do estado.

Bolsonaro saiu do encontro bastante frustrado com a decisão tomada pelo PRP, alegando que o seu partido tentou de todas as maneiras fechar o acordo, chegando até mesmo a oferecer apenas uma aliança nacional, o que significa que os partidos teriam autonomia para as alianças estaduais, mas a possibilidade também foi descartada pelo PRP.

Após as duas recusas, o PSL volta a pensar no nome da advogada Janaína Paschoal

Com a dificuldade do PSL em encontrar um vice para Jair Bolsonaro, o partido deve olhar para seus quadros e o nome da advogada Janaína Paschoal, filiada ao partido, ganha força.

A advogada ganhou notoriedade por ter sido uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ao lado dos juristas Miguel Reale Júnior e Hélio Bicudo. Janaína Paschoal participou ativamente de toda tramitação do processo na Câmara dos Deputados e no Senado.

Em abril de 2016, em discurso na faculdade da USP, a advogada proferiu discurso exaltado ao dizer que Deus havia mandado uma legião para cortar as asas de cobras que teriam se perpetuado no poder. O colega Hélio Bicudo classificou o discurso como uma exaltação cívica de quem tem temperamento explosivo.

O PSL tem até o dia 5 de agosto para definir o vice de Bolsonaro [VIDEO] e o próprio pré-candidato diz que tudo pode acontecer, inclusive fazer sua campanha com apenas 7 segundos de propaganda eleitoral na TV.