O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, que trabalha de graça como advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, lucrou muito nos governos petistas, conforme informações da revista Veja.

Uma indicação do próprio Partido dos Trabalhadores (PT) teria proporcionado ao ex-ministro um contrato pelo qual ele recebe R$ 500 mil até hoje. Além disso, tem mais um bônus de R$ 2 milhões. Dessa forma, a reportagem afirma compreender o trabalho de graça do advogado na defesa de Lula.

Publicidade
Publicidade

Confusão com Zanin

Sepúlveda vive sérios problemas com o outro advogado do condenado, Cristiano Zanin. Os dois não conseguem se entender na busca de soluções para o ex-presidente.

Um dos episódios que causou grandes divergências foi quando Pertence pediu aos ministros da Segunda Turma da Corte que analisassem a possibilidade de Lula cumprir sua prisão domiciliar, já que está com uma idade avançada. Em um ato inesperado, Zanin foi contra Pertence e afirmou que o seu cliente não apresentou em nenhum tribunal o pedido para a prisão domiciliar.

Publicidade

Pertence está em conversa com Lula e pode deixar a defesa dele. Pelo WhatsApp, o filho do ex-ministro chegou a discutir com o casal Zanin [VIDEO]. Eduardo Pertence teria falado em um grupo de conversa que seu pai é, e sempre será, maior que o casal Zanin.

Encontro com Lula

Nesta sexta-feira ficou combinado o encontro de Sepúlveda e Lula [VIDEO]. O advogado lembrou que possui uma grande amizade pelo petista, mas que não tem concordado com uma desautorização feita por Zanin sobre o pedido de prisão domiciliar ao líder do PT.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula PT

Para o ex-ministro, o episódio mostrou ser uma vergonha de atitudes diante do tribunal.

Conforme informações de aliados, Lula até aceitaria cumprir a pena em casa, desde que o pedido não venha de autoria dele. Muitos membros do PT acabaram se preocupando com isso. Eles defenderam que o ex-presidente deveria aceitar isso para poder ter mais condições de participar, mesmo que indiretamente, da campanha eleitoral.

Na segunda-feira (16), o ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão, defendeu a proposta de Pertence como uma saída estratégica para Lula.

Na prisão domiciliar, o ex-presidente poderia dar entrevistas, encontraria com os amigos, e teria mais liberdade para ações eleitorais.

Aragão ressaltou que "é melhor Lula em casa do que na Superintendência da PF em Curitiba em todos os sentidos". Em tom de brincadeira, o ex-ministro da Justiça afirmou que até para ele ver o seu amigo, é melhor que seja em São Paulo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo