O jornalista Ricardo Noblat, da revista Veja, divulgou novas informações sobre a repercussão que envolveu uma tentativa de liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo a matéria, Lula sabia de tudo e teria discutido o caso com membros do PT e seus advogados. O desembargador Rogério Favreto teria comunicado ao deputado Paulo Pimenta, seu amigo, sobre como agiria, no domingo (08), para soltar o ex-presidente Lula.

De acordo com as informações, tudo começou na semana passada, quando Rogério Favreto, desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), avisou a Pimenta que estaria de plantão no tribunal no final de semana.

O aviso seria um prenúncio de que ele poderia atuar para conceder um habeas corpus ao líder do PT.

Membros do partido e advogados de Lula começaram a analisar a oportunidade de liberdade do petista. A senadora Gleisi Hoffmann teria comentado que tudo isso seria muito arriscado e decidiu perguntar aos advogados Cristiano Zanin e Roberto Teixeira o que achavam dessa manobra. A defesa do ex-presidente afirmou que dificilmente isso daria certo e ressaltaram que eles não poderiam participar da trama, pois são autores de outras ações que pedem a liberdade do condenado.

Lula se manifesta

Sendo alertado sobre como tudo iria acontecer, Lula negou aceitar tal ação num primeiro momento. Para ele, seria impossível que um desembargador plantonista conseguisse soltá-lo da cadeia. Mas Gleisi Hoffmann e os advogados acabaram convencendo Lula de que ele não perderia nada com isso.

Um outro lado destacado por eles, segundo o colunista, é que Lula teria a oportunidade de gravar alguns vídeos para a campanha eleitoral antes que outra medida de prisão fosse decretada. O tempo livre dele seria precioso para o partido.

Ação do desembargador

Favreto recebeu o pedido dos deputados petistas meia hora antes do início do seu plantão, na sexta-feira (06). Depois eles ficaram sabendo que o desembargador já havia arrumado todos os detalhes e que, no domingo (08), logo pela manhã, já emitiria um comunicado à Polícia Federal.

Ao saber do fato, Sérgio Moro [VIDEO], que está de férias em Portugal, rapidamente enviou um recado para que Lula [VIDEO] não fosse solto, em hipótese nenhuma. O magistrado da Lava Jato acionou o presidente do TRF-4, Carlos Thompson Flores, que teria entrado em contato com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Ele teria informado a Jungmann que manteria Lula preso e falou sobre as investidas do desembargador.