A Polícia Federal (PF) comunicou ao juiz federal Sérgio Moro sobre a abertura de um novo inquérito que investigará crimes cometidos pelo ex-ministro José Dirceu. São crimes de lavagem de dinheiro em que Dirceu é alvo da Operação Lava Jato num terceiro processo comandado por Moro.

Conforme as acusações, Dirceu teria se beneficiado, entre 2011 e 2014, de R$ 2,2 milhões por serviços nunca prestados pela sua empresa de consultoria.

A propina seria oriunda de contratos fraudulentos entre a Petrobras e as construtoras Engevix e UTC,

Em um depoimento dado à PF, o ex-vice-presidente da Engevix, Gerson Almada, comentou que os pagamentos eram destinado a Dirceu e vinham por meio de propina. As informações do ex-vice-presidente foram dadas dois meses após o Ministério Público Federal apresentar a denúncia ao magistrado da Lava Jato.

Para apurar todos os detalhes descritos por Almada, o MPF informou que seria necessário novas investigações e abrir novos inquéritos. Em fevereiro, Moro pediu para que a PF investigasse esses valores recebidos pelo petista, o que foi feito na semana passada.

O juiz afirmou que todos os acusados já foram condenados pela primeira e segunda instância, até mais do que uma vez, como é o caso do ex-ministro petista. Porém, Dirceu teve a decisão da Segunda Turma da Corte do Supremo Tribunal Federal (STF) a seu favor e conseguiu a sua liberdade.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Sergio Moro

Ações contra 'multicondenados'

Moro afirmou, em fevereiro, que seria de grande importância que fosse efetivado as condenações exaradas e não apenas favorecer novas condenações. De acordo com o magistrado, os processos em andamentos tende a dificultar a finalização das investigações devido o grande número das ações contra os multicondenados.

Também responde às acusações Luis Eduardo de Oliveira e Silva e Walmir Pinheiro Santana, ex-diretor da UTC.

Medidas cautelares

Ao ser libertado pela Segunda Turma da Corte, Moro ordenou que José Dirceu fosse à Curitiba para colocar tornozeleiras. O ministro Dias Toffoli não gostou disso e derrubou a decisão do juiz paranaense. Dirceu, atualmente, goza de liberdade e tem atuado na busca por estratégias em relação à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Uma das mais recentes atuações do ex-ministro é tentar tirar o PCdoB de apoiar Ciro Gomes, para que fique ao lado do PT.

Dias Toffoli foi muito criticado por procuradores da Lava Jato ao derrubar decisão de Moro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo