A Polícia Federal (PF) comunicou ao juiz federal Sérgio Moro [VIDEO] sobre a abertura de um novo inquérito que investigará crimes cometidos pelo ex-ministro José Dirceu. São crimes de lavagem de dinheiro em que Dirceu é alvo da Operação Lava Jato num terceiro processo comandado por Moro.

Conforme as acusações, Dirceu teria se beneficiado, entre 2011 e 2014, de R$ 2,2 milhões por serviços nunca prestados pela sua empresa de consultoria. A propina seria oriunda de contratos fraudulentos entre a Petrobras e as construtoras Engevix e UTC,

Em um depoimento dado à PF, o ex-vice-presidente da Engevix, Gerson Almada, comentou que os pagamentos eram destinado a Dirceu e vinham por meio de propina.

As informações do ex-vice-presidente foram dadas dois meses após o Ministério Público Federal apresentar a denúncia ao magistrado da Lava Jato.

Para apurar todos os detalhes descritos por Almada, o MPF informou que seria necessário novas investigações e abrir novos inquéritos. Em fevereiro, Moro pediu para que a PF investigasse esses valores recebidos pelo petista, o que foi feito na semana passada.

O juiz afirmou que todos os acusados já foram condenados pela primeira e segunda instância, até mais do que uma vez, como é o caso do ex-ministro petista. Porém, Dirceu teve a decisão da Segunda Turma da Corte do Supremo Tribunal Federal (STF) a seu favor e conseguiu a sua liberdade.

Ações contra 'multicondenados'

Moro afirmou, em fevereiro, que seria de grande importância que fosse efetivado as condenações exaradas e não apenas favorecer novas condenações.

De acordo com o magistrado, os processos em andamentos tende a dificultar a finalização das investigações devido o grande número das ações contra os multicondenados.

Também responde às acusações Luis Eduardo de Oliveira e Silva e Walmir Pinheiro Santana, ex-diretor da UTC.

Medidas cautelares

Ao ser libertado pela Segunda Turma da Corte [VIDEO], Moro ordenou que José Dirceu fosse à Curitiba para colocar tornozeleiras. O ministro Dias Toffoli não gostou disso e derrubou a decisão do juiz paranaense. Dirceu, atualmente, goza de liberdade e tem atuado na busca por estratégias em relação à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Uma das mais recentes atuações do ex-ministro é tentar tirar o PCdoB de apoiar Ciro Gomes, para que fique ao lado do PT.

Dias Toffoli foi muito criticado por procuradores da Lava Jato ao derrubar decisão de Moro.