Bolsonaro esteve no Jornal Nacional nesta terça-feira (28) para ceder uma entrevista sobre sua candidatura à presidência do Brasil. Em meio às perguntas feitas por William Bonner e Renata Vasconcellos, Bolsonaro acabou se entrando diversas vezes em conflito [VIDEO] com os entrevistadores. Por conta disso, perguntas em relação à economia, igualdade salarial e homofobia ficaram sem respostas concretas.

Um dos questionamentos feitos ao candidato foi sobre se tornar um possível "refém" das vontades de Paulo Guedes, até então apontado por Bolsonaro como seu economista. O candidato chegou a usar o casamento como uma metáfora para a relação entre ele e Guedes, dizendo que nunca se sabe até onde uma relação pode chegar.

Bolsonaro chegou a entrar no âmbito pessoal durante a entrevista ao citar o fim do casamento de Bonner, porém sem muitos detalhes.

Sobre a desigualdade salarial

Um momento marcante da entrevista foi resultado de uma pergunta sobre a desigualdade salarial entre os sexos. Bolsonaro foi questionado sobre antigas declarações em que afirmava que a diferença do salário entre os homens e mulheres se dava graças a diferença entre a competência, levando a entender que as mulheres recebem menos por serem menos competentes. Ao tentar se defender da pergunta sobre a declaração, o candidato tentou usar Renata Vasconcellos, a entrevistadora, como exemplo e supôs que ela recebia um salário menor ao de William Bonner. Interrompendo a entrevista, Renata fez questão de esclarecer que não compete a Bolsonaro e nem a ninguém o valor do salário que ela recebe.

Diferente do candidato em questão, que recebe por seus serviços com dinheiro público pago em impostos.

O patrimônio milionário

Questionado sobre sua declaração milionária de patrimônio e sobre ter construído tudo isso em meio a sua carreira política, Bolsonaro utilizou como argumento a legalidade do auxilio moradia mesmo se o político beneficiado já for dono de um imóvel. Segundo o deputado não houve desvio de verba ou lavagem de dinheiro com seu auxílio moradia. Apesar disso, os entrevistadores questionaram o discurso do candidato que desmoraliza a política antiga e prega uma política novo. Segundo Bonner, Bolsonaro estaria se igualando aos políticos [VIDEO] que critica ao aceitar durante anos o auxílio moradia sem que houvesse necessidade para usá-lo, levando em conta os imóveis que o deputado possuí em seu nome.