O Cabo Daciolo, candidato à Presidência da República, teve seu registro de candidatura aceito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) [VIDEO]. O pedido aconteceu no dia 8 de agosto. O parlamentar não declarou bens.

O atual deputado Daciolo [VIDEO] é marcado por diversas polêmicas em sua carreira Política. Tanto é que chegou a ser expulso do seu partido anterior, o PSOL. Dos nomes a concorrer à Presidência, ele é um dos mais desconhecido.

Daciolo foi expulso do PSOL porque feriu a concepção do partido, ao apresentar um Projeto de Emenda à Constituição (PEC) em que alterava um parágrafo para "Todo poder emana de Deus" no lugar de "Todo poder emana do povo".

Cabo Daciolo é do partido Patriota e disputa sua primeira eleição para Presidência. O parlamentar ganhou notoriedade ao liderar a greve dos bombeiros, no estado do Rio de Janeiro. Fato esse que fez com que o PSOL o chamasse para entrar no partido.

O discurso de Benevenuto Daciolo Fonseca dos Santos (Cabo Daciolo) extrapola as igrejas e até mesmo o aconselhamento de fiéis.

Segurando a bíblia na mão, ele dispara uma profecia para uma deputada cadeirante: "Eu quero aqui, diante de todos, profetizar a cura da deputada Mara. Eu creio que aquela mulher vai levantar da cadeira e começar a andar". A deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) se utiliza de cadeira de rodas para se locomover.

Ele foi oficializado pelo partido Patriota por unanimidade. A convenção do partido ocorreu em Barrinha, no interior de São Paulo.

No seu discurso, Daciolo se declarou contrário à legalização do aborto e à ideologia de gênero.

Ciência, tecnologia, inovação e educação serão prioridades em seu governo, afirmou o candidato. A redução de verbas para esses setores foi criticada por ele. "O pouco que entra já querem tirar. Estão tirando dinheiro da educação", disse.

Suelene Balduino Nascimento (Patriota) foi escolhida para ser sua vice. Pedagoga com 23 anos de experiência na profissão, ela atua na rede pública de ensino do Distrito Federal. O total de bens declarados pela professora chega aos R$ 201.855,75. O relator do registro foi o ministro Napoleão Nunes Maia.

O Tribunal Superior Eleitoral continua divulgando dados genéricos da lista de bens dos candidatos, embora tenha afirmado diminuir a transparência. A afirmação foi feita após uma reportagem citar o caso. No entanto, o TSE afirma que voltaria a um modelo mais antigo e mais detalhado. Já existem 13 candidatos à Presidência da República.