O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO] e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Fux, usou uma frase polêmica para rebater críticas sobre a razão de se encurtar o prazo para a definição de candidaturas. Mesmo sem citar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Corte afirmou que um candidato absolutamente inelegível não pode provocar a Justiça disputando uma eleição "sub judice". "A Justiça é cega, mas o juiz não é", declarou o ministro.

Os dizeres do magistrado, que causou surpresa nos advogados eleitorais, aconteceu na sede do Tribunal Regional Eleitoral do Pará. Fux foi procurado pela Folha de São Paulo para comentar a sua fala, mas ele preferiu não se pronunciar.

Neste sábado (04), o Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu desafiar a Justiça [VIDEO] e oficializou a candidatura do ex-presidente Lula à Presidência do Brasil. Segundo a senadora e presidente do partido, Gleisi Hoffmann, não existe política no Brasil sem falar de Lula. Mais de 2000 delegados do partido aprovaram a candidatura dele ignorando a sua condenação a 12 anos e 1 mês de prisão pela Operação Lava Jato, acusado de corrupção e lavagem de dinheiro.

Para provocar ainda mais, Gleisi afirmou que a oficialização da candidatura de Lula confronta com um sistema podre. "Não tememos", disse ela. A parlamentar também enfatizou uma possível perseguição do Judiciário contra Lula e declarou que vai tirar Lula da prisão.

Condenação

Lula cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, diante de uma sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro.

Para o magistrado da Lava Jato, o petista é culpado de ter recebido propina da construtora OAS para reformar um triplex no Guarujá. Além disso, Lula teria proporcionado vantagens indevidas para a OAS em contratos fraudulentos com a Petrobras.

A condenação de Moro foi confirmada pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, com sede no Rio Grande do Sul. Dessa forma, Lula não pode concorrer às eleições já que é alvo da Lei da Ficha Limpa, promulgada por ele mesmo em seu último ano de governo.

Revolta petista

Os petistas não aceitam que seu líder fique fora do páreo e querem, a todo custo, Lula concorrendo. Em uma carta divulgada na convenção deste sábado (04), Lula denunciou supostas orientações do presidente Michel Temer para que não efetive sua candidatura. "Querem inventar uma democracia sem povo", diz a carta.

Apenas para ressaltar, nesse mês de agosto, Moro começará a concluir mais um processo envolvendo o petista. Dessa vez, Lula está envolvido em recebimento de propina da Odebrecht e OAS para a reforma de um sítio em Atibaia.