A Lava Jato não para e a Força-Tarefa da Operação da PF (Polícia Federal) que visa combater a corrupção no país, também não, prova disso, foram os resultados das últimas denúncias realizadas pelo MPF (Ministério Público Federal) que, no final da tarde desta sexta-feira (3), liberou um comunicado, denunciando 33 pessoas que teriam formado um cartel em obras do Rodoanel Sul e obras viárias no estado de São Paulo.

Dentre os denunciados acusados da Força-Tarefa da Lava Jato, o MPF em SP, também estão o ex-diretor da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), Paulo Vieira de Souza também conhecido como Paulo Preto, este, apontado como operador do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) pela Polícia Federal.

As denúncias da MPF são graves e apontam que as 33 pessoas, agora acusadas, teriam estabelecido um cartel composto por diversas construtoras, este estabelecimento entre eles, também teve o consentimento de agente-públicos, não só do orgão do estado, a Dersa, como também do município, o Emurb (Empresa Municipal de Obras e Urbanização).

A denúncia do MPF foi indolor e substancial

A Força-Tarefa é clara ao informar que os mesmos atuavam desde 2004, e que o ajuste dos preços acontecia previamente entre as empresas envolvidas e o poder público, dessa forma, o cartel eliminava a concorrência tanto no trecho sul do Rodoanel quanto em mais 7 outras grandes obras.

As acusações do MPF só foram possíveis graças a delações de 8 executivos da Odebrecht, apuradas posteriormente pela Força-Tarefa da Operação por meio de investigação para a apuração da factualidade e veracidade dos fatos. O acordo com os executivos foram firmados no ano passado (2017) no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Lava Jato

Operação do cartel é desmembrada e lista de nomes dos denunciados conta com detalhes na íntegra

A denúncia deve ser encaminhada pelo próprio MP (Ministério Público) a 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo.

Em nota extensa a imprensa (também disponível ao público), o MPF desmembrou a operação do cartel em alguns passos:

  • Seis fases - O cartel teve seis fases começando em 2004 a ser organizado seguida de uma reunião de 5 líderes (G5);
  • Cartel ampliado - Aqui o G5 passa a identificar empresas para se habilitarem na licitação do Rodoanel;
  • Terceirização e acordo - A terceira fase só começa em 26 de novembro;
  • Sistema viário e renegociação - Nesta fase do cartel Paulo Preto entra no jogo em 2007 após ser publicado a renegociação de todos os contratos no decreto estadual do mesmo ano;
  • Repartição - Na fase 5, reuniões ocorreram já nos primeiro 6 meses de de 2008;
  • Final? - Devido a mudança na gestão do município as coisas já complicavam para o cartel, isso em 2013, devido a dificuldade de obter os documentos necessários para a finalização das obras; cinco empresas contando com a Odebrecht tiveram uma reunião e contrataram um serviço de consultoria Haver para que a mesma pudesse emitir estes documentos;
  • Fraudes no sistema viário - E não foi só pelo crime de cartel que 32 deles são acusados pelo MPF, dentre os envolvidos na denúncia: 25 são acusados pela lei de licitações no artigo 90;
  • Denunciados e crimes - Nesta fase, o MF imputa crimes e divulga os nomes dos envolvidos, tanto empresas como pessoas categorizados um a um.

Na parte da fase de 'Terceirização e acordo' do cartel, o MPF apontou lotes de até R$ 567 milhões, caso tudo ocorresse dentro do planejado.

Para verificação da veracidade dos fatos e uma informação mais detalhada e abrangente quanto aos acusados e as empresas ligadas aos mesmos, o leitor pode acessar o ofício contendo a denúncia do Ministério Público, sem cortes ou edições.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo