Depois de confirmar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República, no último sábado (4), o Partido dos Trabalhadores (PT) indicou o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, como seu vice [VIDEO].

Haddad é apontado por especialistas políticos como possível candidato do PT, caso Lula seja mesmo impedido de disputar o pleito em outubro. Sua candidatura como vice vem a corroborar essa tese. Já a deputada gaúcha Manuela D'Ávila (PCdoB), que recentemente havia desistido de sua candidatura, foi convidada, junto com seu partido, a fechar chapa [VIDEO] com o PT para ser vice de Haddad, caso a Justiça impeça que o ex-presidente concorra na eleição.

Agora, o PT espera uma resposta da deputada.

No entanto, no que depender da vontade de Luciana Barbosa de Oliveira Santos, presidente do PCdoB, essa aliança já está fechada. “Entendendo a necessidade de um pacto das candidaturas de nosso campo”, disse.

A intenção do PT era estender até o dia 15 de agosto a decisão de quem seria vice de Lula, porém, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que os candidatos à presidência e vice precisariam ser definidos até esse domingo (5).

Bolsonaro e Lula empatados tecnicamente em São Paulo

Na última sexta-feira (3), o Ibope divulgou sua mais recente pesquisa de intenção de voto no estado de São Paulo. Para o cargo de presidente da República, Lula e Jair Bolsonaro estão tecnicamente empatados [VIDEO]. Lembrando que a margem de erro adotada pelo Instituto é de 3% para mais ou para menos.

O Ibope ouviu 1.008 eleitores entre os dias 29 de julho e 1º de agosto.

No levantamento feito pelo Ibope, [VIDEO] Lula aparece com 23% das intenções de voto, seguido pelo candidato do PSL, que tem 18%, enquanto que o ex-governador Geraldo Alckmin aparece com 15%.

Em uma simulação onde Haddad aparece no lugar de Lula, o cenário muda completamente, com Alckmin à frente de Bolsonaro, apesar do resultado também ser considerado empate técnico. O ex-governador tem 19% e o candidato do PSL 16%. O petista aparece apenas em quinto lugar, empatado com Álvaro Dias (Podemos), com 4% das intenções de voto. À frente dele estão ainda Marina Silva (Rede), com 11%, e Ciro Gomes (PDT) com 8% das intenções de votos.

Já na última pesquisa presidencial, divulgada no final do mês passada, levando em conta todo o território nacional, em um cenário sem Lula, Haddad aparecia com apenas 2% das intenções de voto. Bolsonaro tinha 17%, Marina 13%, Ciro Gomes 8% e Alckmin 6%.