Um dia após Michel Temer assinar o decreto da GLO (Garantia da Lei e da Ordem) em Roraima, o presidente, em entrevista, afirmou que, por meio de senhas, o Governo pode limitar a entrada de venezuelanos no país.

O presidente admitiu ter discutido ainda na terça-feira (28), mecanismos para reduzir o fluxo migratório vindo da Venezuela, que o estado de Roraima está sofrendo. O presidente cedeu uma entrevista à Radio Jornal, do Recife.

"Cogita-se colocar senhas para permitir a entrada de 100, 150 ou até 200 por dia e cada dia entre um pouco mais para organizar essas entradas", disse Temer. Diariamente cerca de 700 a 800 pessoas entram no país e isso está gerando problemas, como por exemplo, o da vacinação.

Temer disse em entrevista que é inadmissível o que ocorre com a Venezuela e que o governo brasileiro já está entrando em contato com Peru, Equador e Colômbia, países estes que também têm recebido venezuelanos.

A Colômbia, em 16 meses, já recebeu cerca de 1 milhão de venezuelanos. O Peru, ao notar grande fluxo migratório, impôs regras mais rígidas, como por exemplo um passaporte válido. Até então somente o documento nacional bastava.

"Para nós, o ideal seria que eles recebessem ajuda humanitária no seu país, dentro do seu território. Nós propusemos isso ao governo venezuelano, mas o governo recusou. Agora eles fogem de lá e vêm para cá", disse Temer.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Michel Temer

O presidente também afirmou que foi contrário ao pedido da governadora Suely Campos (PP), de fechar a fronteira. Temer disse que o Brasil é um país de acolhimento aos refugiados.

O decreto assinado pelo presidente na tarde de terça-feira (28) tem por objetivo permitir a presença das Forças Armadas no estado de Roraima e nas fronteiras. O exército patrulhará fronteiras e estradas federais. Além disso, homens da Segurança Nacional já atuam em Pacairama, visando manter a ordem e segurança.

Hoje se completa 11 dias do primeiro conflito entre brasileiros e venezuelanos. Desde então, a segurança vem sendo reforçada.

O ministro Raul Jungmann, que atua na pasta de Segurança Pública, lamentou o ocorrido, dizendo que essa é a pior tragédia brasileira.

Reunião das nações para conter a crise

A Colômbia, Peru e Equador reuniram seu diplomatas em Bogotá para discutir a crise. O Peru estuda fazer outra reunião, mas agora com a OEA (Organização dos Estados Americanos), que discutirá a crise venezuelana e será sediada em Lima, capital do Peru.

A Venezuela possui umas das maiores reservas de petróleo do mundo, é a quarta maior economia da América do Sul e detém um dos maiores PIB per capita do continente. O caos político e econômico que se instaurou desde o início do governo Maduro reflete em toda sua sociedade e nos países vizinhos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo