Em reportagem publicada na madrugada desse domingo (16), o ex-governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e candidato a presidência da república é acusado de beneficiar familiares através de dois decretos editados nos anos de 2013 e 2014. Segundo a Folha, os decretos, que visavam a construção de um prolongamento de um viaduto no município de São Roque renderam R$ 3,8 milhões a familiares de Alckmin.

As medidas assinadas por Alckmin resultaram em desapropriação de terrenos ligados a um sobrinho do ex-governador, Othon Cesar Ribeiro e sua ex-mulher, Juliana Fachada Cesar.

Publicidade
Publicidade

O casal se separou, no entanto, tiveram quatro filhos. A execução das obras foi feita pela concessionária CCR Via Oeste, implicada na Operação Lava Jato. A informação do beneficiamento dos familiares de Alckmin foi dada por executivos dessa concessionária que prestaram essas informações ao Ministério Público. Segundo os executivos, os recursos financeiros destinados à desapropriação foram pagos a Adhemar, pai de Othon.

Custo da obra foi de R$ 84,6 milhões

A construção da obra denominada “prolongamento do contorno de São Roque” custou a gestão Geraldo Alckmin cerca de R$ 84,6 milhões.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Eleições

As obras foram entregues em 2016, e ficam situadas na Rodovia Raposo Tavares no quilômetro 58.

Segundo apurações feitas pela reportagem da Folha de São Paulo, a construção da obra piorou o transito local da rodovia, já que houve um fechamento do antigo retorno que levava os motoristas a São Roque e que vinham dos municípios de Sorocaba e de Mairinque já que esses motoristas não conseguem entrar mais no município. Por necessidade, esses motoristas acabam fazendo um retorno proibido em outro trecho da rodovia, o que segundo informações da Folha, vem ocasionando o registro de acidentes.

Publicidade

A informação foi coletada junto a moradores da região que disseram que a obra piorou o trânsito da região.

A justificativa dada para a construção era a de que a mesma iria reduzir o tempo gasto pelos motoristas para acessar a região. No papel, a informação era a de que o tempo do trajeto seria de 2 minutos, anteriormente, o tempo gasto pelos motoristas era de 6 minutos. Após o término da obra, a economia de tempo constatada é de pouco mais de um minuto. O trajeto foi percorrido pela reportagem da Folha de São Paulo.

Outro Lado

Por meio de nota enviada por sua consultoria, Geraldo Alckmin disse que as acusações são descabidas e ofendem o bom senso já que durante seu governo assinou centenas de decretos de utilidade pública e que esses decretos eram amparados por órgãos responsáveis que tinham pareceres jurídicos assinados pela Procuradoria Geral do Estado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo