O ator Alexandre Frota, candidato a deputado federal pelo PSL, mesmo partido de Jair Bolsonaro, mostrou inquietação com o posicionamento de Bruna Marquezine em relação à candidatura do presidenciável. A atriz global aderiu à campanha "Ele Não", promovida por aqueles que não querem o capitão [VIDEO] no Planalto. Frota se mostrou incomodado com isso e gravou um vídeo contra Marquezine, dando uma pequena "alfinetada" no jogador Neymar, namorado da atriz.

Na mensagem, Frota quis mostrar que o apoio da atriz é indiferente para Bolsonaro. Ele citou que se fizer uma ligação do apoio dela na Copa do Mundo de 2014 e 2018, pode-se ver que o desempenho do Brasil foi péssimo.

Segundo o ator, ele tem visto Bruna Marquezine afirmando para várias pessoas e divulgando que não votará em Bolsonaro, entretanto, afirmou que se o apoio dela fosse importante, a seleção brasileira teria ido muito bem na Copa do Mundo.

Frota citou a derrota vergonhosa do Brasil para a Alemanha por 7 a 1 e a última Copa do Mundo, que ocorreu na Rússia, quando a seleção perdeu para a Bélgica. "Valeu, Bruna, tchau!", disse Frota. Vale ressaltar que, na última Copa, Neymar foi muito criticado pelo seu baixo desempenho e por cair demais em campo.

O ator tem sido um grande cabo eleitoral de Bolsonaro, tanto nas ruas quanto nas redes sociais. Aqui está o vídeo gravado por Frota:

Campanha contra Bolsonaro

Através do seu Instagram, Bruna Marquezine compartilhou um texto da atriz Maria Ribeiro para explicar o porquê de aderir a campanha "Ele Não".

Na mensagem de Ribeiro, há muitas críticas contra as declarações de Bolsonaro [VIDEO]. Ela chegou a dizer que ele é contra os homossexuais, não concorda que mulheres grávidas ganhem mais que os homens e enalteceu que a essência de família defendida por elas é diferente da posição mostrada pelo candidato.

Bolsonaro lidera

Nas últimas pesquisas, o candidato do PSL ao Planalto tem liderado. Nesta quinta-feira (20), o Datafolha divulgou a sua pesquisa mais recente. Bolsonaro tem 28% da preferência dos eleitores, seguido por Fernando Haddad, com 16%. O segundo turno está muito disputado e não ha ainda nenhuma projeção certa. Entre as mulheres, Bolsonaro também lidera, com 21%.

O candidato foi alvo de um atentado enquanto fazia campanha em Juiz de Fora, Minas Gerais. Ele se recupera no Hospital Albert Einstein e tem previsão de alta nos próximos dias.