O candidato à Presidência da Republica, Jair Bolsonaro [VIDEO], foi esfaqueado ao fazer campanha no estado de Minas Gerais. O fato aconteceu na tarde desta quinta (6). A Policia Militar do estado, e a Policia Federal, confirmaram que prenderam o suspeito de esfaquear o candidato. O homem foi detido e passará por interrogatório.

O candidato foi imediatamente socorrido na Santa Casa de Juiz de Fora, onde precisou passar por uma cirurgia, onde teve que levar seis pontos na altura do abdômen. No vídeo que circula nas redes sociais, o candidato está com as mãos na barriga e sendo socorrido por eleitores. Segundo seu filho, Flávio Bolsonaro, Jair Bolsonaro passa bem.

O ferimento teria sido superficial.

Segundo a Polícia, eles ainda não conseguiram confirmar a identidade do suspeito, pois ele estava sem documentos na hora que foi detido, logo após o atentado contra o candidato. A Policia Federal disse ainda que o candidato contava com escolta federal. Segunda eles, a escolta federal é garantida a todos os candidatos à presidência.

Testemunha teria visto o homem de casaco preto

A militante Roberta Lopes Alves, estava próximo ao candidato, quando viu um homem de casaco preto se aproximar do candidato Jair Bolsonaro e o esfaquear na altura do abdômen. Ela relatou ainda, que após o ocorrido, o agressor quase foi linchado pelos populares que estavam no ato eleitoral.

Segundo o site UOL, o candidato desde o início de sua campanha, foi orientado por sua equipe de segurança, a seguir certos procedimentos.

Ele já foi fraguado três vezes usando coletes à prova de balas. Indagado sobre o uso do colete, ele disse que apenas obedece, e que não dá detalhes sobre o que acontece sabre a sua segurança.

Concorrentes falam sobre o atentado

Fernando Haddad disse, em entrevista no youtube, ao canal My News, que é “lastimável” o que aconteceu com o candidato. E que a população não pode se levar a “provocação” por causa do comportamento do candidato Bolsonaro [VIDEO]. Ciro Gomes disse através do Twiter, que exige a prisão do responsável ou dos responsáveis.

Já Alvaro Dias disse que repudiava o atentado e que “a violência nunca deve ser estimulada”. Enquanto isso, o Presidente Michel Temer classificou como lamentável e que este caso demostra a falta de tolerância da sociedade.

Geraldo Alckmin disse ser lamentável o ataque ao candidato. Ele disse que "política se faz com diálogo e convencimento”. Guilherme Boulos, através do twitter, exigiu investigações por parte da Policia Federal.