Depois de passar a noite na UTI da Santa Casa de Misericórdia, em Juiz de Fora, [VIDEO] o candidato a Presidência da República Jair Bolsonaro foi transferido pra o Hospital Albert Einstein, onde ficará se recuperando até receber alta. Ainda de madrugada, ele fez sua primeira aparição após o atentado que sofreu na tarde anterior. Em um vídeo postado nas redes sociais, o político relatou o momento em que foi atacado e faz agradecimento aos médicos, aos familiares e a Deus.

Uma ambulância levando o candidato deixou a Santa Casa por volta das 8h25, levando-o para o Aeroporto de Serrinha, em Juiz de Fora, onde uma aeronave já o aguardava.

A decolagem ocorreu às 9 horas. De acordo com informações passadas pelos médicos, Bolsonaro encontra-se extremamente estável e não há riscos durantes o voo. Ele chegou na capital paulista por volta das 10 horas.

O candidato deverá ficar internado entre uma semana e dez dias, [VIDEO] além disso, todo o trabalho de campanha no primeiro turno deverá ser interrompido por conta do atentado. De acordo com os médicos que o atenderam, “as lesões internas foram graves e colocaram em risco a vida do paciente”. Além disso, ele perdeu muito sangue por conta de uma hemorragia internada e necessitou de transfusão. Ele teve o intestino grosso perfurado pela faca e ainda sofreu três lesões no intestino delgado, além de ter tido uma veia atingida.

Por conta do ataque contra Bolsonaro, os adversários Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), suspenderam as agendas de campanha que fariam entre a noite de quinta-feira e nesta sexta-feira.

O candidato tucano afirmou através da assessoria de imprensa que o adiamento dos compromissos é por respeito a seu concorrente.

Segundo homem acusado de participar do atentado foi preso

No início da noite desta quinta-feira (6),a Polícia informou que prendeu um segundo homem acusado de participação no atentado contra o candidato Jair Bolsonaro. Ele não teve sua identidade revelada e foi levado para a superintendência da Polícia Federal, em Juiz de Fora, onde foi ouvido pelas autoridades.

Adélio Bispo de Oliveira, homem que desferiu o golpe contra o candidato, foi preso momentos após o ataque. Ele chegou a ser agredido por simpatizantes de Bolsonaro, mas os policias impediram o linchamento. Na delegacia, ele alegou motivações pessoais contra o ex-capitão do Exército para cometer a tentativa de homicídio. O acusado foi por alguns anos filados ao PSOL e já tinha passagem pela polícia por lesão corporal.