O candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), continua internado depois do ataque que sofreu na cidade de Juiz de Fora (MG), na quinta-feira (6). O presidenciável fazia campanha quando foi esfaqueado por Adelio Bispo de Oliveira, que foi preso em flagrante e posteriormente transferido para o presídio federal de Campo Grande (MS).

Bolsonaro foi socorrido de imediato depois de ser ferido e encaminhado para a Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, onde deu entrada e passou por uma cirurgia para estancar uma hemorragia, reconstituição intestinal e uma colostomia.

No sábado (9), Jair Bolsonaro [VIDEO] foi transferido para o Hospital Albert Einstein, onde permanece internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e vem recebendo todos os cuidados necessários para seu pronto restabelecimento.

Bolsonaro continua internado

De acordo com o portal de notícias online, R7, nesta segunda-feira (10), a equipe médica que cuida do candidato, por meio de uma nota, informou que o estado de saúde do presidenciável continua grave [VIDEO], porém, ele apresenta uma boa evolução no quadro de saúde. Bolsonaro respira sem ajuda de aparelhos, está se alimentando através de sonda gástrica, não apresenta nenhuma infecção e terá que passar por mais um cirurgia de grande porte para reverter a colostomia.

Segundo os médicos, o procedimento cirúrgico é bastante delicado e deve ocorrer depois que Bolsonaro tiver alta. Se tudo correr bem, ele deverá ser operado em aproximadamente dois meses.

A colostomia foi necessária para desviar o trânsito intestinal de Bolsonaro para que os ferimentos provocados pela faca possam cicatrizar corretamente.

Diante de seu quadro de saúde, a possibilidade do candidato voltar à campanha para o pleito que acontecerá em outubro é praticamente nula. Jair Bolsonaro vem liderando a intenção de votos no primeiro turno nas pesquisas, porém, perde em praticamente todos os cenários no segundo turno.

Foto Polêmica

Uma foto postada por um dos filhos do candidato sentado na UTI do hospital, em que ele aparece fazendo gestos com as mãos que lembram armas, foi bastante criticada. Isso porque o candidato é a favor do armamento da população, o que para muitos é considerado apologia a violência, a qual Bolsonaro acabou se tornando vítima. A imagem ganhou as redes sociais, na tarde de sábado. Questionado, Eduardo Bolsonaro disse que não há nada de mais na foto, já que o gesto é uma marca registrada de seu pai.