O candidato à presidência da República, Jair Messias Bolsonaro, teve seu registro de candidatura aceito pelo Tribunal Superior Eleitoral. A aprovação ocorreu nesta quinta-feira (6) e agora os 12 nomes que concorrerão às Eleições presidenciais estão definidos.

Segundo a última pesquisa feita pelo Datafolha, Jair Bolsonaro tem dez pontos de vantagem sobre o segundo colocado. Ele domina as intenções de voto.

Ciro Gomes e Marina Silva têm 12% das intenções. João Amoêdo e Alvaro Dias, apenas 3%.

O pedido de registro de candidatura de Bolsonaro foi o último a ser analisado pelo TSE. Um pedido foi negado, que é o do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, preso em abril deste ano pela Operação Lava Jato.

Um advogado do Rio contestou o registro de Jair Bolsonaro. Ele argumenta que o candidato já é réu no Supremo Tribunal Federal.

No entanto, os ministros não acataram o pedido. Eles entenderam que a lei não prevê o que foi posto em questão e assim decidiram aprovar a candidatura. Os ministros do TSE aprovaram por unanimidade, por 7 votos a zero.

Com a aprovação da candidatura de Bolsonaro, também foi aceito o pedido a vice-presidente na chapa do candidato Hamilton Mourão.

Em 2016, o Supremo Tribunal Federal decidiu que réus não poderiam assumir a presidência da República.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Eleições

Na ocasião, a hipótese de Renan Calheiros assumir a presidência fez o STF agir rapidamente. O senador Renan Calheiros (MDB-AL) foi condenado por desvio de dinheiro público na época. A previsão na Constituição Federal é que também o presidente, caso seja réu em algum processo, terá de ser afastado por 180 dias.

Com base no entendimento do STF em 2016, o advogado que contestou a candidatura de Bolsonaro pediu sua negação. No entanto, o TSE entendeu que somente os que estão no poder é que se submetem a esse entendimento. No caso dos candidatos, a lei não seria aplicada.

TSE nega pedido de Bolsonaro contra campanha eleitoral de Alckmin

O candidato Jair Bolsonaro acusou as campanhas do candidato pelo PSDB, Geraldo Alckmin, de difamação e incitação a danos mentais, morais e passionais. No entanto, os dois pedidos de anulação da campanha de Alckmin foram negados pelo TSE.

O Tribunal Superior Eleitoral entendeu que no primeiro pedido, não houve nenhum difamação a Jair Bolsonaro.

Na campanha, Alckmin fala que Bolsonaro votou contra a PEC das Domésticas. No segundo pedido, também negado, Alckmin associa a reação de Bolsonaro com emoctions de "vômito".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo