Num artigo da Folha de S.Paulo, nesta terça-feira (25), mostrava um documento do Itamaraty que a ex-mulher do deputado e candidato à presidência, Jair Bolsonaro (PSL), alegava ameaças dele e por isso saiu do país na época. Esse documento é de 2011. Logo após, o artigo da Folha ser amplamente, divulgado e gerado polêmica, Ana Cristina, ex-mulher de Bolsonaro e candidata a deputada pelo RJ, gravou um vídeo dizendo que tudo era mentira e que não houve ameaça alguma. Ana Cristina também disse que nunca falou com a embaixada do Brasil na Noruega – onde morava na época – e ataca, veementemente, a imprensa.

Publicidade
Publicidade

Os brasileiros que conviveram em Oslo

Na época que foi feito o documento, Ana Cristina, ex-mulher do Bolsonaro, morava em Oslo, na Noruega, e levou o filho do casal, que na época, era menor de idade. Segundo o documento da embaixada brasileira, ela saiu do Brasil por causa de várias ameaças que o ex-marido tinha feito na época. Que foi negado recentemente.

Segundo a Folha, 5 brasileiros que concordaram falar sobre o assunto, 4 admitiram que só falariam sobre, caso ficassem em anonimato e uma decidiu não ficar e se identificou.

A pessoa que se identificou se chama Simone Afonso, que mora ainda na Noruega e conheceu Ana Cristina em 2009, quando ela se mudou do Brasil. Conta ela que Ana Cristina tinha tentado asilo político na Noruega, e foi negado esse asilo pelo departamento de imigração norueguês. Ainda conta que a ex-mulher do deputado dizia que estava sendo ameaçada por Bolsonaro e que ele havia tirado a guarda do seu filho.

Simone ainda conta que todos que moram em Oslo sabem que o discurso de Ana Cristina era de estar ali por medo do ex-marido.

Publicidade

Também diz, que se a reportagem da Folha quisesse, ela faria uma listagem das pessoas do local, que sabem dessa história.

As outras testemunhas anônimas contaram a mesma coisa. Segundo as quatro testemunhas, Ana Valle, como era conhecida em Oslo, chegou por lá muito frágil e se aproximou do grupo de brasileiros que moram lá. Ainda, costumava repetir, que a sua “cabeça” valia R$ 50 mil reais. Como não sabia falar o dialeto (língua) local e sabia muito pouco falar inglês, Ana Cristina tinha que depender de pessoas que tinha acabado de conhecer.

Simone Afonso disse ainda que Ana teria chegado a morar em uma casa de um brasileiro quando chegou lá. O nome do brasileiro era Fernando Xavier, e alugou um quarto para a ex-mulher do presidenciável, até que ela pudesse estar estabelecida na Noruega.

Xavier nas suas redes sociais, postou a reportagem da Folha e disse que a verdade estava surgindo no “teatro de vampiros”. Disse que Ana chegou ameaçada e ainda ficou anos sem ver o filho e ainda complementa que teria sido testemunha, assim como outras pessoas de Oslo.

Publicidade

Leia tudo