Sarah Sanders, secretária de imprensa da Casa Branca, comentou, nesta segunda-feira (10), que membros do governo Donald Trump teriam entrado em contato com a família do candidato à Presidência do Brasil, Jair Bolsonaro, após o ataque de faca sofrido por ele na cidade de Juiz de Fora, sul de Minas Gerais.

A informação foi passada sem muitos detalhes. Sanders teria sido questionada no briefing diário da Casa Branca se o republicano havia passado alguma mensagem ou tentado algum contato com o candidato do PSL ao Planalto.

Ela afirmou que ainda verificará mais detalhes sobre isso, entretanto acredita que já foi feito um contato de integrantes do governo Trump com o deputado brasileiro.

Ela não soube informar se o próprio presidente dos Estados Unidos teria conversado diretamente com Bolsonaro ou com alguns dos familiares.

O atentado sofrido pelo candidato Bolsonaro [VIDEO] aconteceu na quinta-feira (06), quando ele estava em plena campanha eleitoral. Ele foi levado às pressas ao hospital da cidade e depois encaminhado para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. No último boletim médico divulgado, Bolsonaro estava com o quadro estável, mas fará uma cirurgia [VIDEO] de grande porte para o funcionamento perfeito do seu intestino.

Bolsonaro sempre demonstrou apreço por Donald Trump. Geralmente, os governos estrangeiros evitam se manifestar diante das Eleições em outro país.

Polícia Federal

Nesta segunda-feira (10), os filhos de Bolsonaro, Eduardo e Flávio, se reuniram com o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, para discutir quais medidas serão tomadas para evitar novos ataques nas eleições.

Um homem já está preso, que afirmou ter feito o ataque, entretanto, desconfia-se que mais pessoas estejam envolvidas nisso. A PF continua firme nas investigações. Segundo um dos filhos do candidato, a PF faz um excelente trabalho e eles aguardam que se chegue o mais rápido possível ao desfecho desse caso.

Segurança

Os filhos de Bolsonaro também pretendem aumentar a segurança de toda a família e um novo pedido será feito à PF. O presidente do PSL, Gustavo Bebianno, já havia solicitado essa segurança, mas teve seu pedido negado já que os agentes federais são incumbidos de fazer a proteção apenas dos candidatos à Presidência e não de seus familiares.

Flávio Bolsonaro afirmou que acredita que a PF vai analisar esse pedido, pois essa extensão da segurança seria importante para garantir mais liberdade para a família.