Conforme já havia vindo sendo especulado, na tarde desta terça-feira (11), o Partido dos Trabalhadores confirmou a candidatura de Fernando Haddad [VIDEO] à Presidência da República no lugar de Luís Inácio Lula da Silva, impedido de concorrer ao pleito por ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa. No encontro, ocorrido em um hotel do centro de Curitiba, também foi confirmado que Manuela D'Ávila (PCdoB-RS) será a vice da chapa. A formalização da troca terá que ser feita junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até às 17 horas.

“Com certeza, nós vamos nos preparar para levar Haddad para o segundo turno e ganhar as Eleições presidenciais”, disse Ivan Alex Lima, que é o secretário nacional de mobilização do partido, que classificou tanto a decisão quanto a data de hoje como históricos.

Expressões como “Lula é Haddad e Manu 13” e “somos todos 13 de Lula” já tem sido usado pelos militantes nas redes sociais. O anúncio oficial da troca de candidatos será feito ainda nesta terça, na sede da Polícia Federal, em Curitiba, onde o ex-presidente cumpre pena de 12 anos e um mês.

Na propaganda eleitoral gratuita, veiculada na televisão na tarde desta terça-feira (11), apenas apareceu a inscrição “Haddad 13”, sem mencionar o cargo a qual ele concorria. Além disso, o candidato pediu voto para o 13, fazendo referencia ao nome do partido, mas sem citar nenhum nome. Nas peças anteriores, o nome do ex-prefeito de São Paulo vinha sempre acompanhado da palavra “vice”.

Na propaganda, Haddad ainda fez críticas [VIDEO] ao presidente Michel Temer, afirmando que o projeto de governo de seu partido é o oposto do atual governo e no final ainda exibiu imagnes e uma fala do ex-presidente Lula.

Haddad melhora na pesquisa

Na última pesquisa eleitoral, divulgada pelo Datafolha nesta segunda-feira (9), o agora candidato do PT aparece com 9% das intenções de voto. No levantamento anterior, feito pelo mesmo instituto, o ex-prefeito de São Paulo tinha apenas 4% das intenções de voto.

O primeiro colocado é o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, que subiu para 24%, seguido de Ciro Gomes (PDT), que também apresentou melhora, indo de 10 para 13%. Marina Silva (Rede), foi a que apresentou a maior queda, indo de 16 para 11% e tecnicamente empatando com Geraldo Alckmin, que oscilou um ponto para baixo, passando para 9%.

Já no embate em um segundo turno com Bolsonaro, haveria um empate técnico, com o candidato do PT levando vantagem de um ponto: 39 a 38%. Já no confronto contra os outros três principais candidatos, ele seria derrotado em todos os cenários.