O pedido de registro de candidatura de Fernando Haddad foi aceito e oficializado no início da noite desta terça-feira (11) pelo TSE. Agora, resta aguardar o edital, que deverá ser publicado na quarta-feira (12). Com a negação do pedido de registro do ex-presidente Lula, o principal nome a disputar a presidência pelo Partido dos Trabalhadores será Fernando Haddad.

O nome de Manuela d'Ávila (PCdoB) também já foi enviado.

Na ocasião, ela entrará como vice de Fernando Haddad na chapa. Maria Cláudia Bucchianeri, advogada do PT, disse que o registro de Haddad é o único da coligação. Ela ainda ressaltou que a partir da aceitação do registro da candidatura de Haddad, não haverá mais chance de Lula concorrer. "Não existe mais a candidatura de Lula", disse a advogada.

O PT ainda tentou adiar a prorrogação da apresentação do substituto de Lula.

Além disso, tentou suspender a decisão do TSE, que negou o registro da candidatura de Lula. No entanto, o STF também rejeitou os pedidos feito pelo PT. O relator do caso, o ministro Celso de Mello, negou os pedidos.

Segundo a advogada Bucchianeri, conforme o combinado, às 18 horas Fernando Haddad renunciaria a sua candidatura à vice e logo em seguida registraria sua candidatura a Presidência da República. O relator do pedido de registro deve ser o ministro Luís Roberto Barroso. Barroso inclusive já aprovou a coligação do PT/PCdoB/PROS.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Eleições Política

Pronunciamento de Fernando Haddad

Já no primeiro pronunciamento como candidato à presidência pelo PT, Haddad lembrou a "era Lula" e também atacou as elites. A cúpula do PT convocou um ato de toda a militância da esquerda para enaltecer Fernando Haddad. O encontro aconteceu frente à Superintendência da Polícia Federal de Curitiba, local onde Lula está preso.

Em discurso, Haddad citou vários programas sociais feitos pelo governo de Lula e atacou opositores.

"Será que incomodou um homem fazer em 8 anos o que não fizeram em 500?", disse. Em outro momento, ele disse que o que a elite fez "foi desestabilizar o país desde a cassação de Dilma Rousseff". Dilma estava em Curitiba, participando também do ato. Com ela estavam Gleisi Hoffmann (senadora e presidente do PT), Lindeberg Farias (RJ), entre outros.

Haddad também chamou a militância para sair às ruas todo dia até as Eleições.

Ele também citou a comemoração do "Dia da Democracia", comemorada no dia 28 de outubro. Fernando Haddad terminou o ato aos gritos de "Lula Livre".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo