Após o atentado ocorrido em Juiz de Fora [VIDEO], Minas Gerais, o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) terá que ficar afastado alguns dias de seus compromissos de campanha. E com o afastamento do pai, os filhos de Bolsonaro, os deputados Flávio Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro deverão assumir a campanha de agora em diante, segundo informação veiculada no jornal O Globo.

Flávio Bolsonaro concorrerá nesta eleição a uma vaga no Senado Federal pelo estado do Rio de Janeiro enquanto que o irmão Eduardo concorre a Câmara dos Deputados pelo estado de São Paulo. A partir de agora, ambos deverão participar de compromissos como jantares e encontros com aliados.

A expectativa é a de que Jair Bolsonaro fique afastado por pelo menos um mês, é o que afirmam especialistas em situações médicas como a ocorrida pelo candidato do PSL.

Vice Hamilton Mourão também deve assumir compromissos de campanha

O general Hamilton Mourão (PRTB), vice na chapa de Bolsonaro à presidência também ficará encarregado de honrar outros compromissos de campanha. A partir de agora, a promessa é que a segurança deva dobrar, para que novos atentados não ocorram. Outras estratégias de segurança já estão sendo adotadas pelos PRTB e PSL, tanto é que, até uma caminhada que seria feita neste domingo por Mourão, na Baixada Fluminense, foi cancelada até que as novas estratégias de segurança sejam adotadas.

Conselheiro de Bolsonaro culpa parte da mídia pelo atentado ocorrido em Minas

Segundo informação divulgada no jornal Folha de São Paulo na noite desta sexta-feira (07), um dos principais conselheiros de Bolsonaro, o general do exército Augusto Heleno, disse que uma “parte da imprensa” é culpada pelo grave esfaqueamento de Bolsonaro durante a campanha.

“O bárbaro atentado é apenas um desfecho do que parte da imprensa desencadeou contra ele”, afirmou.

Segundo o general, parte da Mídia vem, obstinadamente rotulando Jair Bolsonaro como um candidato despreparado, violento, inimigo da pátria e amante da ditadura. Na opinião dele, está ocorrendo um “vale-tudo” para desconstruí-lo.

Sobre Adélio Bispo de Oliveira [VIDEO], preso pela polícia e acusado como autor do crime, o general afirmou que ele não é um desequilibrado e sim um radical fiel aos ideais marxistas, que logo após o atentado apresenta uma equipe de advogados para defendê-lo.

Com a declaração, general Augusto Heleno deixou no ar uma possível teoria sobre uma trama ou conspiração mais ampla do que se imagina, não apenas um ato praticado por um lobo solitário.