O general da reserva, Augusto Heleno, que atua diretamente na campanha do candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, culpou parte da imprensa pelo atentado sofrido contra o deputado e uma trama arquitetada para dar base ao agressor. Bolsonaro foi esfaqueado durante um evento de sua campanha na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, na quinta-feira (06).

Segundo o general, ele só não foi vice de Bolsonaro em razão de divergências entre os partidos, já que o seu partido não aceitou apoiar o deputado. De acordo com suas palavras, o atentado sofrido por Bolsonaro é o desfecho de uma campanha diária que parte da imprensa realiza contra ele.

General Augusto Heleno declarou que o deputado é injustamente atacado pela Mídia, como sendo despreparado, violento e grande apoiador da ditadura. Na visão do general, a todo momento querem desconstruí-lo. A fala do oficial é vista no mesmo caminho dos apoiadores de Bolsonaro e dos próprios filhos do capitão.

Para Heleno, o homem responsável em fazer o Ataque contra o candidato, Adelio Bispo de Oliveira, não é um desequilibrado. Ele comentou que o agressor é radical irresponsável [VIDEO], fanático por seus ideais marxistas.

O general afirmou que em poucos minutos após dar a facada, o rapaz já estava com vários advogados a sua disposição, ou seja, existe uma trama mais ampla do que um simples ataque solitário.

Ele declarou que a Esquerda não aceita perder o poder e pode fazer de tudo por seus interesses.

Pedido de calma

Entretanto, mesmo depois de todas essas declarações, general Augusto Heleno pediu calma aos seus seguidores e defensores de Bolsonaro. [VIDEO]

Ele pediu que as pessoas não percam o ânimo e não se deixem levar pela emoção, o que pode acabar complicando mais as coisas. De acordo com o oficial da reserva, a paz e a conciliação farão com que o deputado, caso eleito, tenha condições de construir um Brasil melhor para todos.

Voz respeitada

O general é uma das vozes mais respeitadas no meio militar. Ele foi comandante das tropas de paz do Haiti e chefe militar da Amazônia. Para alguns apoiadores do candidato do PSL, as manifestações da campanha de Bolsonaro seguirão o caminho descrito pelo general.

Segundo as informações, Heleno é um dos responsáveis pelo programa de governo do deputado, caso ele vença as Eleições, e ele pode, inclusive, assumir um ministério.

Em decorrência de seu estado de saúde, Bolsonaro não poderá participar das campanhas de rua. Isso será uma tarefa para seu vice, general Hamilton Mourão, e outros apoiadores do deputado.