O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, concedeu uma entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, publicada neste domingo (9), onde ao comentar sobre o atentado sofrido pelo candidato do PSL Jair Bolsonaro, na última quinta-feira (6), em Juiz de Fora, afirmou que o novo governo pode até mesmo ter sua “legitimidade questionada”.

Villas Bôas afirmou que o corrido em Juiz de Fora, foi a “a materialização das preocupações que a gente estava antevendo”, se referindo aos acirramentos das divergências, que saíram do âmbito político e se transferiram para o nível comportamental.

Publicidade
Publicidade

Para ele, o que aconteceu com Bolsonaro mostra a construção de dificuldades que o novo governo terá para governar com estabilidade. “A intolerância está muito grande”, disse. “E esse atentado, infelizmente, veio a confirmar essa intolerância generalizada”, completou.

Ainda sobre o próximo governo ter sua legitimidade questionada, Villas Bôas como exemplo uma eventual vitória de Bolsonaro nas urnas. Para ele, os derrotados poderão dizer que o candidato do PSL foi beneficiado pelo atentado por conta de toda a comoção gerada, enquanto que se o resultado foi outro, Bolsonaro poderá dizer que teve sua campanha prejudicada por conta do ataque.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Eleições

“Daí, altera o ritmo normal das coisas e isso é preocupante”, disse.

O general foi questionado se temia que fatos como o ocorrido em Juiz de Fora fossem mesmo acontecer. Ele respondeu que já existia essa preocupação por conta da exacerbação da violência e já havia feito o alerta. Além disso, o general, logo após os desfiles de 7 de Setembro entrou em contato com todos os comandantes para saber se houve algum problema e diante da negativa das respostas, uma vez que tudo transcorreu dentro da normalidade, ele não sabe dizer se a população levou um choque com o que aconteceu, mas espera que a normalidade prevaleça, apesar de nas redes sociais ter notado que ainda existem manifestações de intolerância.

Publicidade

“Espero que as coisas se harmonizem a partir de agora”, disse.

A tentativa de candidatura do ex-presidente Lula também foi pauta da entrevista. Questionado sobre o parecer do Comitê de Direitos humanos da ONU, que orientava o petista a ser liberado para disputar as Eleições, Villas Bôas classificou o fato como uma tentativa de invasão da soberania nacional e afirmou que isso é algo preocupante, pois pode comprometer a estabilidade do país, a legitimidade do novo presidente e sua governabilidade.

Sobre a possibilidade de radicais oposicionistas criarem uma desordem no país, caso um dos extremos ganhe as eleições, o general não acredita que isso possa ocorrer, uma vez que o Brasil atingiu maturidade.

Por fim, a ele foi perguntado se em caso de vitória de Bolsonaro, seu governo poderia ser considerado um governo militar. “Absolutamente, não. Não é um governo militar”, respondeu o general, que também disse que o candidato do PSL não é o candidato das Forças.

Publicidade

“As Forças Armadas são instituições de Estado, de caráter apolítico e apartidário”, disse.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo