Nos últimos dias, um dos assuntos mais comentados envolvendo política foi a criação de um grupo chamado “Mulheres contra Bolsonaro” [VIDEO], que reúne mais de um milhão de mulheres que são contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL).

Nesta sexta-feira (14), o grupo conta com 1.048.262 mulheres. O problema é que, conforme reportagem publicada pelo BuzzFeed News, muitas mulheres foram incluídas no grupo sem solicitarem.

Isso acontece porque no Facebook é possível adicionar os amigos aos grupos dos quais faz parte sem que o amigo saiba disso. Só depois de convidado e de já estar incluso entre os membros é que é possível definir se continuará ou não.

Em entrevista ao BuzzFeed News [VIDEO], a advogada Janice Andrade, de 38 anos, moradora de Campo Grande, afirmou que é contra Bolsonaro porque o candidato representa tudo o que ela abomina.

Segundo ela, o que mais a incomoda é fato de ele fazer campanhas baseadas em fake news e dizer que vai implantar leis que não são de competência de um presidente. Ela cita como exemplo o projeto de castração química.

Paralelo a esse grupo contra Bolsonaro, foram criados grupos favoráveis a ele. Um deles, o “Mulher com Bolsonaro #17” está próximo dos 400 mil membros. Na descrição, está escrito que o grupo foi criado para mulheres de fibra e coragem.

Jair Bolsonaro lidera pesquisa de intenção de votos

Jair Bolsonaro lidera a pesquisa de intenção de votos entre o eleitorado feminino. De acordo com a pesquisa Ibope divulgado na terça-feira (11), Bolsonaro aparece com 18% - no levantamento do dia 5 de setembro, ele aparecia com 16%.

Geraldo Alckmin (PSDB) chegou aos 11% nesse levantamento. Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) também somam 10%. O grande destaque aí, além do crescimento de Bolsonaro, é a queda de Marina, que tinha 14% na pesquisa anterior.

No geral, Bolsonaro lidera com 26%, seguido por Ciro Gomes, que soma 11%, Marina Silva e Alckmin, que aparecem com 9%, e Fernando Haddad (PT), que tem 8%.

Estado de saúde de Bolsonaro

Enquanto grupos contra e a favor de Bolsonaro crescem no Facebook, o candidato do PSL segue sua recuperação no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, depois de ter sido esfaqueado na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, no dia 6 de setembro.

Bolsonaro passou por cirurgia na noite de quarta-feira (12) para desobstrução do intestino. Ele segue na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e deve ficar de fora de toda a campanha do primeiro turno. A votação acontece no dia 7 de outubro.