Um dos ministros membros integrantes da mais alta instância do Poder Judiciário brasileiro, Ricardo Lewandowski, tomou uma decisão relacionada a um recurso jurídico impetrado pela defesa do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O recurso jurídico apresentado pela defesa do ex-mandatário petista se refere a um comunicado do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU).

O recurso delimita que o ex-presidente Lula deveria ter afastada sua condenação imposta pelo Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4), de Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul.

O TRF-4 é o Tribunal de segunda instância que ratificou a condenação do ex-presidente, conforme decisão tomada no primeiro grau, pelo juiz federal Sérgio Moro, em se tratando das investigações que decorreram no âmbito da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

A sentença dada pelo magistrado paranaense culminou numa pena estimada de mais de doze anos de prisão em regime fechado por crimes de Corrupção passiva e lavagem de dinheiro, atribuída a Lula, com referência ao caso da aquisição do apartamento de luxo Tríplex do Guarujá. O petista encontra-se preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no Paraná.

Pedido de vista em julgamento no plenário virtual

Nesta quarta-feira (26), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, solicitou um pedido de vista e suspendeu o julgamento no plenário virtual da Corte do recurso jurídico supracitado, conforme delineado pela defesa do ex-presidente Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Corrupção

Com a suspensão do julgamento do caso no plenário virtual do STF, o julgamento do recurso jurídico deverá ser direcionado para o plenário físico da Suprema Corte, embora ainda não haja a definição de uma data para essa análise no Tribunal.

Vale lembrar que no dia 17 de agosto, o Comitê dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas havia solicitado que o Brasil "tomasse todas as medidas necessárias inerentes à possibilidade de que o ex-presidente Lula pudesse desfrutar e exercer seus direitos políticos, enquanto estivesse na prisão, como candidato para as eleições presidenciais deste ano".

Naquela ocasião, em 11 de setembro, o ministro relator do caso no Supremo, Luiz Edson Fachin, negou dar provimento à solicitação dos advogados criminalistas de Lula, que pretendiam afastar os efeitos relacionados à condenação do ex-mandatário petista. Vale ressaltar que Lula foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa, cujo registro de candidatura foi rejeitado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo