O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) [VIDEO]impôs uma derrota à candidatura do petista Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na noite desta sexta-feira (31). Com 5 votos a 1, faltando um ministro votar, o pedido do ex-presidente para concorrer foi indeferido pela maioria.

A candidatura de Lula foi alvo de 16 contestações no TSE. Uma delas partiu do partido Novo [VIDEO]. Além do pedido da impugnação da candidatura do petista, o partido do candidato João Amôedo também pediu que a propaganda no rádio e na televisão seja barrada.

A votação começou no início da noite e o primeiro a votar foi o ministro relator Luís Roberto Barroso.

O ministro indeferiu o registro da candidatura e deu um prazo de 10 dias para que o PT apresente substituto para Lula. Enquanto isso não for feito, a veiculação da campanha do candidato à Presidência está vetada.

Na sequência, quem votou foi Edson Fachin. Até o momento da confirmação da derrota petista, ele foi o único que votou a favor da candidatura de Lula. Na contramão dos colegas, Fachin argumentou que a Lei da Ficha Limpa torna Lula inelegível, mas o petista deve concorrer devido à recomendação do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em seguida, quem votou foi o ministro Jorge Mussi. Ele também votou pela inelegibilidade de Lula e argumentou, ao contrário de Fachin, que a decisão do comitê da ONU não se aplica ao Brasil.

Og Fernandes foi o quarto ministro a votar e o terceiro ao optar por impedir a candidatura de Lula.

Para ele, a decisão do Comitê da ONU não tem ação vinculante. Neste momento, o placar contra o petista ficou 3 a 1.

O quarto voto, e que definiu o impedimento da candidatura de Lula, foi dado pelo ministro Admar Gonzaga. Em sua fala, Gonzaga lembrou que o TSE não investiga a culpabilidade de Lula e que isso é feito pelos tribunais competentes, como Tribunal Superior de Justiça (TSJ) e Supremo Tribunal Federal (STF).

Tarcísio Vieira também votou à favor da impugnação e o último voto seria feito pela presidente do TSE, a ministra Rosa Weber. Diante da derrota, a defesa de Lula deve recorrer nestes dois tribunais. A vitória, porém, é difícil. Depois da condenação em primeira e segunda instâncias, a defesa solicitou habeas corpus nestes dois tribunais e foi derrotada.

Lula lidera pesquisas de intenção de votos

O ex-presidente Lula lidera as pesquisas de intenção de votos em que aparece como candidato do PT. Levantamentos realizados por Datafolha, Ibope, Paraná Pesquisas, entre outros, mostram Lula à frente.

Mas o PT já se preparava para a derrota baseada na Lei da Ficha Limpa, que impede condenados em segunda instância de concorrem a cargos eletivos, e havia montado uma chapa tripla, com Lula, o Fernando Haddad e Manuela D’Ávila.