Na semana que passou, Fernando Haddad foi definido como candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) na corrida presidencial no lugar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula está preso na sede da Polícia Federal, em Curitiba, onde cumpre pena de 12 anos e um mês. Ele foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato.

A condenação em duas instâncias impossibilitou que Lula concorresse à Presidência devido à Lei da Ficha Limpa, que não permite que condenados em segunda instância disputem cargos eletivos.

Diante dessa situação, não restou outra alternativa ao PT que não apostar em Fernando Haddad. Neste sábado, Lula escreveu um bilhete para o novo postulante ao Planalto, mas cometeu um erro.

O bilhete foi postado pela página oficial de Lula no Twitter. Na escrita, porém, o ex-presidente erra o nome de Fernando Haddad. O sobrenome do ex-prefeito de São Paulo tem duas letras D na sequência, mas Lula colocou apenas uma.

“A eleição do Hadad vai ser a resposta...” escreveu Lula. Segundo ele, a vitória de Haddad será a resposta do povo ao “golpe”, forma como os petistas se referem ao impeachment sofrido por Dilma Rousseff em 2016. O bilhete foi compartilhado pelo perfil de Haddad no microblog.

Pesquisas de intenção de votos

A mais recente pesquisa Datafolha, divulgada nesta sexta-feira (14), mostra Jair Bolsonaro (PSL), na liderança da corrida presidencial.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula

O candidato está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde se recupera da facada que levou no dia 6, em Juiz de Fora, Minas Gerais.

Ciro Gomes (PDT) manteve a segunda posição, com 13%, mas Fernando Haddad, agora oficialmente candidato do PT, encostou e alcançou a mesma pontuação, na pesquisa do dia 10, ele aparecia com 9%.

Geraldo Alckmin (PSDB) soma 9%, enquanto Marina Silva (Rede), em queda acentuada, aparece com 8%.

João Amoêdo (Novo) tem 3%. Mesma pontuação de Henrique Meirelles (MDB) e Alvaro Dias (Podemos). A diferença é que estes dois últimos têm mais tempo no horário político gratuito e participam dos debates, o que não é possível para Amoêdo.

Cabo Daciolo (Patriota), Vera Lúcia (PSTU) e Guilherme Boulos (PSOL) somam 1%, cada um. João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram. Treze por cento dos eleitores afirmaram que vão votar nulo ou em branco.

Seis por cento não sabe ou não responderam à pesquisa. O levantamento ouviu 2.820 eleitores entre os dias 13 e 14 de setembro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo