O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, publicou um despacho ressaltando ser inaceitável as críticas feitas pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a sua decisão. Os advogados Luiz Fernando Casagrande Pereira e Fernando Gaspar Neisser comentaram, numa petição enviada ao magistrado da Corte, que Lula foi "arrancado da disputa eleitoral" sem que a Corte Suprema analisasse um recurso pedido para que fosse reconsiderada a candidatura do ex-presidente.

Enfático em sua posição, o ministro afirmou que decidiu dentro do prazo imposto ao ex-presidente Lula pela Justiça Eleitoral. Celso de Mello ainda reiterou que a leitura do regimento da Corte já seria suficiente para depreender que o julgamento do recurso do petista só poderia acontecer no dia 19/09/2018, ou seja, após o prazo determinado pela Justiça Eleitoral. O ministro disse que não entende o motivo dos advogados quererem que o prazo fosse esticado até o dia 17, para que o Plenário fizesse a votação.

Mello ainda afirmou que uma decisão dele mediante os anseios dos advogados de Lula poderia causar a anulação da sua decisão.

Celso de Mello comentou, no despacho, que o processo possuía muitas páginas e ele varou a madrugada analisando toda a petição para elaborar a sua decisão.dentro do prazo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Críticas do PT

A senadora e presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, criticou a demora do Supremo de não se posicionar imediatamente sobre a candidatura de Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Governo

Isso fez com que o prazo da TSE se esgotasse e o ex-presidente acabasse perdendo a chance de concorrer às Eleições.

Na petição de desistência, os advogados Neisser e Pereira lembraram que a presidente do TSE, Rosa Weber, autorizou que os recursos de Lula fossem para o STF. Entretanto, a impossibilidade dos onze ministros votarem deixou em aberto questões constitucionais, declarou a defesa do petista. Os advogados ainda falaram que a democracia brasileira sempre levantará essa dúvida ocorrida com o processo de Lula.

Pedido negado

A revolta da defesa do ex-presidente é porque o ministro negou que a inelegibilidade de Lula fosse suspensa e também indeferiu o pedido para dar mais tempo antes do PT indicar um novo candidato.

Diante disso, o PT oficializou Fernando Haddad como candidato do partido à Presidência da República. Lula foi barrado pela Lei da Ficha Limpa após ser condenado pela Operação Lava Jato.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo