Nesta sexta-feira (14), o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, respondeu ao despacho deferido na quinta (13) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, sobre o caso da ação penal que envolve o ex-ministro Guido Mantega.

Toffoli, que tomou posse como presidente da Corte, retirou do magistrado da Lava Jato a ação que investiga o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega sobre repasses recebidos da Odebrecht.

Publicidade
Publicidade

Ele teria participado de negociações corruptas de caixa dois para beneficiar a campanha da ex-presidente Dilma Rousseff. A Segunda Turma da Corte atendeu o pedido da defesa de Mantega e, em 14 de agosto, pediu o encaminhamento do processo dele para a Justiça Eleitoral. Entretanto, Toffoli foi acionado pelos advogados do ex-ministro afirmando que o juiz não mandou os processos para a Justiça Eleitoral e manteve tudo em Curitiba.

O presidente da Corte não gostou da atitude de Moro e afirmou que ele burlou uma decisão da Suprema Corte. Dessa forma, pediu que o juiz tome as medidas necessárias para o envio do caso de Mantega à Justiça Eleitoral.

Publicidade

Moro retruca

O juiz Sérgio Moro enviou uma resposta a Toffoli comentando sobre a sua decisão. O juiz reiterou o respeito ao eminente ministro, mas afirmou que não há contrariedade ao decidido no referido processo. De acordo com o magistrado da Lava Jato, a ação penal de Guido Mantega não tem nada a ver com a Justiça Eleitoral, mas sim, de crime de Corrupção e lavagem de dinheiro.

Moro ainda ressaltou que a Justiça Eleitoral evoluiu bastante nos últimos tempos, entretanto, dificilmente conseguirá julgar esse tipo de crime complexo que envolve o ex-ministro da Fazenda.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Sergio Moro

É o mesmo que dizer que Mantega ficou livre da Justiça perante tudo o que cometeu.

Para os advogados do ex-ministro, Moro foi desobediente em não cumprir a determinação da Segunda Turma da Corte. Porém, o juiz da Lava Jato defende que as investigações contra Mantega permaneçam com ele para que se possa chegar a um resultado contra toda essa suposta corrupção.

Ações penais

Em sua decisão, Toffoli, além de retirar de Moro a ação penal contra Mantega, também livrou outros réus das mãos do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Os marqueteiros João Santana e Mônica Moura também serão julgados pela Justiça Eleitoral.

Para o novo presidente do STF, os crimes deles são constituídos de falsidade ideológica no campo eleitoral, ou seja, tratam de doações eleitorais relacionadas a caixa dois.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo