Nesta terça-feira (25), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, convocou uma coletiva com jornalistas e falou sobre o papel da Corte para defender a democracia no país. Ele reiterou que "ninguém vai se arriscar a desafiar a democracia no Brasil".

Conforme informações da Agência Brasil, Toffoli comentou que é nas urnas que as pessoas tornam seus desejos realidade. Ele disse que os confrontos e embates existentes fazem parte da dimensão de ideias contraditórias e isso faz parte da nossa democracia.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o ministro, o melhor sistema político que existe é o voto popular e deve se respeitar aquele que for vitorioso nas Eleições.

Em relação às críticas sobre a credibilidade das urnas eletrônicas, o ministro afirmou que elas são utilizadas desde 1996 e é um processo legítimo e seguro. Segundo o ministro, uma comissão da Organização dos Estados Americanos (OEA) analisou os equipamentos e viu segurança nas urnas.

Questionado sobre o atentado do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), sobre comprometer a legitimidade do resultado da eleição, Toffoli minimizou e disse que mesmo se tratando de algo deplorável o que aconteceu com o candidato, isso não interfere no jogo democrático das eleições. O magistrado da Corte citou as investigações que estão em andamento pela Polícia Federal e disse que tudo está sendo averiguado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Eleições

Dias Toffoli comentou que ele tem certeza que todos os candidatos sabem das regras a serem seguidas e devem obedecê-las para que não haja confusões e questionamentos de possíveis resultados.

Jair Bolsonaro tem criticado muito as urnas eletrônicas dizendo que elas são suscetíveis a proporcionar fraudes e evitar que o candidato mais votado ganhe. O deputado chegou a enviar um projeto para que a votação seja feita através do voto impresso, entretanto, isso não foi aceito, o que causou indignação nele.

Publicidade

Em 2014, após o segundo turno das eleições, o PSDB pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que fizesse uma auditoria pois eles estavam questionando o resultado do pleito. O tucano Aécio Neves havia perdido para Dilma Rousseff (PT). Entretanto, o TSE negou a auditoria, mas forneceu dados e acesso aos programas usados nos processos.

Polarização

O presidente da Corte afirmou que quem for eleito deve dialogar com toda a sociedade. Segundo ele, a polarização que existe é apenas eleitoral e reiterou que o voto popular é o caminho correto para se fazer uma grande nação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo