O Tribunal Superior Eleitoral negou o pedido de suspensão da propaganda eleitoral de Geraldo Alckmin, feita pelo candidato à presidência, Jair Bolsonaro. Esse já é o segundo pedido de Bolsonaro que foi negado pelo TSE.

Jair Bolsonaro acusa a propaganda eleitoral de Alckmin de difamação da honra e imagem dele. No entanto, o ministro que julgou o pedido, Luís Felipe Salomão, entendeu que não houve qualquer ofensa, ainda que a propaganda ofereça algum tipo de trucagem.

Publicidade
Publicidade

Mediante isso, não há qualquer prova suficiente para atender ao pedido.

A propaganda de Alckmin criticava a posição do deputado Jair Bolsonaro com relação à PEC das Domésticas. Alckmin ataca o candidato questionando se as domésticas votariam em uma pessoa que foi contra o décimo terceiro, contra carteira assinada e contra as férias, direitos estes que hoje as domésticas têm. Além disso, na propaganda Alckmin usa um trecho de uma entrevista do Jornal Nacional (JN).

Outro pedido negado

Jair Bolsonaro, no total, entrou com 4 pedidos para que se proibisse tais veiculações. Porém, somente duas foram julgadas até o momento. Nenhuma foi atendida. Todas foram negadas. A última que Jair Bolsonaro pediu para parar de ser veiculada é uma em que aparece sua imagem associada a uns "emoctions".

A propaganda também foi veiculada pelo candidato Geraldo Alckmin. Na ocasião, são emoctions que vomitam, em reação a Jair Bolsonaro.

Publicidade

O ministro Carlos Horbach, substituto no Tribunal Superior Eleitoral, negou também o pedido feito.

A defesa de Bolsonaro disse que a propaganda atenta contra a imagem e que também tenta criar um estado mental, passional ou emocional artificial na cabeça dos eleitores. No entanto, o ministro entendeu que foi uma "forte crítica" e que os dados são verdadeiros. O ministro, em seu entendimento, disse que nada do que foi apresentado viola a legislação eleitoral.

Bolsonaro também pediu para que se retirasse um video eleitoral do ar. Na ocasião, feito também pelo candidato Alckmin, armas disparam balas que destroem objetos e ainda passa de raspão numa garota.

O que ainda corre na justiça eleitoral por parte do candidato Jair Messias Bolsonaro é o pedido de resposta. No entanto, os pedidos ainda não foram analisados nem julgados. Uma delas que Bolsonaro quer o direito de resposta, se trata dele xingando mulheres.

Publicidade

Ele acusa o comercial de não mostrar todo o contexto e é isso o que ele queria passar na resposta.

Leia tudo