O candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) tem pela frente a definição do segundo turno das eleições presidenciais, marcado para o dia 28 de outubro. Com vantagem nas pesquisas de intenção de votos, o candidato conservador já começou a planejar quem ocupará cada um dos ministérios de seu governo.

Nesta sexta-feira (19), o presidenciável afirmou que o astronauta brasileiro Marcos Pontes comandará o Ministério da Ciência e Tecnologia caso seja eleito presidente da República.

Publicidade
Publicidade

Bolsonaro também afirmou que quer diminuir o número de cargos comissionados na administração federal. No momento, são 23 mil funcionários e Bolsonaro quer reduzir este número, pelo menos, metade. O candidato ainda não sabe o número exato.

Além de Marcos Pontes, Bolsonaro já havia confirmado Paulo Guedes como ministro da Economia, o deputado federal Onyx Lorenzoni para a Casa Civil, e o general da reserva Augusto Heleno para a Defesa.

O candidato do PSL pretende diminuir também o número de ministérios.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Ele já afirmou algumas vezes que vai, por exemplo, fundir as pastas de Meio Ambiente e Agricultura. O ministro dessa pasta deve ser indicado por um nome sugerido pelo setor de agronegócio, que está apoiando a candidatura do ex-deputado federal.

Bolsonaro aparece na liderança das últimas pesquisas divulgadas pelo Datafolha e pelo Ibope. O candidato do PSL vence Haddad de 59% a 41% dos votos válidos nos dois institutos.

Marcos Ponte, o astronauta brasileiro

Marcos César Pontes, de 55 anos, nasceu na cidade de Bauru, interior de São Paulo, em 1963.

Publicidade

Pontes é tenente-coronel da Força Aérea Brasileira (FAB). Antes de se tornar astronauta, atuou como piloto de caça.

Em 2006, Marcos Pontes ficou nacionalmente conhecido ao se tornar o primeiro astronauta brasileiro, de um país de língua portuguesa e sul-americano ao ir ao espaço.

Pontes fez parte da chamada "Missão Centenário", que recebeu esse nome como forma de homenagear os 100 do voo de Santos Dumont, em 1906, a bordo do avião 14 Bis.

O astronauta ficou nove dias no espaço.

Ele viajou na nave russa Soyuz TMA-8 e retornou na Soyuz TMA-7. No espaço, ele testou experimentos brasileiros para execução em ambiente de microgravidade.

Para ser astronauta, a pessoa não precisa ter ido necessariamente ao espaço. Marcos Pontes recebeu esse título no ano 2000, quando concluiu curso na NASA. Ele foi indicado como representante a que o Brasil tinha direito no programa espacial da NASA.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo