A equipe que está responsável pelo programa de governo do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, pretende implantar a cobrança de mensalidades nas universidades federais para aqueles alunos que são de família com maior renda. De acordo com a proposta, a intenção é formar um fundo com esse dinheiro de forma que poderia ajudar a financiar vagas para os estudantes que são pobres.

Praticamente toda equipe do presidenciável é a favor dessa ideia, porém, a recomendação é para que ninguém fique comentando a respeito, pois isso poderia gerar uma polêmica e até mesmo prejudicar o candidato nesta reta final.

Para muitos integrantes da equipe de Bolsonaro, essa medida já é dada como certa e eles alegam que boa parte das vagas ocupadas nas universidades federais são ocupadas por alunos que estudaram em escolas particulares, ou seja, são de famílias com boa renda financeira e por isso poderiam assumir a mensalidade sem problema algum.

Medida esbarra na Constituição

Para implantar este projeto, entretanto, a equipe de Jair Bolsonaro teria um grande problema, pois a Constituição garante o ensino público gratuito, ou seja, a cobrança de mensalidades hoje seria uma prática ilegal.

Seria preciso aprovar um PEC - Projeto de Emenda Constitucional, mas para isso é preciso conseguir votos favoráveis de três quintos dos parlamentares, mas isso só depois de duas discussões na Câmara e no Senado.

Especialistas explicam que esse tema é complexo e inconstitucional. Hoje o Brasil gasta três vezes mais com o ensino superior do que com o ensino básico. Segundo o Ministério da Educação, enquanto se gasta R$ 5.900 por ano com aluno no ensino básico, gasta-se R$ 21.000 anuais com os alunos do ensino superior.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Eleições

Jair Bolsonaro critica a violência no Brasil

Na manhã desta segunda-feira (22), o candidato do PSL à presidência não teve nenhum compromisso na parte da manhã e ficou em casa conversando com seus eleitores pelas redes sociais.

O presidenciável disse que a violência no país passou da linha do absurdo e que quanto mais recuar, mais os criminosos irão avançar, então ele defendeu o que chama de 'cultura de defesa dos direitos humanos'.

Ainda em casa, o presidenciável recebeu a visita do jurista Ives Grandra e também do senador Magno Malta. Bolsonaro revelou neste último final de semana que, caso venha a ser eleito, Marcos Pontes, o astronauta brasileiro, será o novo ministro da Ciência e Tecnologia.

Veja também

Em vídeo, Eduardo Bolsonaro fala em fechar o STF e ministro reage: 'declaração golpista'

Hoje pastor evangélico, Guilherme de Pádua anuncia apoio a Jair Bolsonaro

Em vídeo, pastor que chutou imagem de Nossa Senhora confessa apoio a Jair Bolsonaro

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo