A coligação “O Povo Feliz de Novo” (PT/PC do B e PROS) reforça ofensiva contra o candidato Jair Bolsonaro do PSL, acusado de tentar denegrir a imagem de Haddad durante as campanhas eleitorais.

Foram apresentados na madrugada desta última quinta-feira (3) fortes argumentos pela coligação, que exige respostas sobre o pedido de remoção de postagens atacando o PT e o candidato Fernando Haddad. Segundo o Partido dos Trabalhadores (PT), as publicações são “fake news” e irregulares.

Publicidade
Publicidade

O conteúdo do vídeo acusa e afirma que o PT é apoiado pelos narcotraficantes e sequestradores das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

O conteúdo foi postado pelos perfis do PSL de Minas Gerais no Twitter e do próprio candidato Bolsonaro. Para a coligação, o conteúdo exibido no perfil de Bolsonaro tinha como objetivo sujar a imagem do candidato petista. O PT acrescentou também que as imagens usadas para criar o conteúdo foram escolhidas pelo fato de que as fotos transmitem para as pessoas que as visualizam uma sensação de guerra, violência.

A coligação afirmou que não recebeu nem um tipo de apoio da Farc, o apoio recebido pelo PT foi do partido político “Fuerza Alternativa Revolucionaria del Común” com o qual foi firmado um acordo de paz na nação colombiana.

O PT também exige a remoção de um vídeo que circula na internet, no qual diz que Haddad estaria distribuindo mamadeiras em creches com o bico com um formato do órgão genital masculino e que as mamadeiras já faziam parte do kit gay.

Publicidade

A candidata à deputada Carla Zambelli também usou as redes sociais para atacar Haddad

Outra representação foi apresentada contra a candidata a deputada federal Carla Zambelli (PSLSP). Segundo o PT, Zambelli também criou e disseminou conteúdos nas redes sociais com o intuito de manchar a imagem do partido e de Haddad, usando o impulsionamentos de formas ilícitas.

A candidata à deputada, publicou uma imagem em que aparece o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao lado de Fidel Castro e uma frase dizendo: “melhor eleger Bolsonaro no primeiro turno”.

Já em outra postagem feita por Zambelli, aparece Haddad, Dilma e Lula e a frase “a corrupção vai continuar”, se referindo à possível vitoria de Haddad.

A coligação diz não ter problemas em usar o recurso de impulsionamento dos conteúdos já que pode ser usado também de forma benéfica, mas usá-lo para disseminar propagandas mentirosas para sujar a imagem de outros candidatos e que não pode e ainda sugeriu que a deputada usasse o recurso de forma positiva em sua própria campanha eleitoral.

Publicidade

Leia tudo