O candidato à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), decidiu procurar apoio no ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, após Ciro Gomes declarar um tipo de "apoio crítico" à candidatura do ex-prefeito de São Paulo. O objetivo de Haddad é que Barbosa possa participar de uma frente democrática que confronte o candidato do PSL, Jair Bolsonaro.

Primeiro, Haddad ficou extremamente frustrado ao saber que Ciro Gomes decidiu viajar para o exterior, ficando 10 dias fora.

O petista viu isso como um ponto negativo e percebeu que Ciro quer ficar mais na retaguarda do que aparecer ao lado dele.

Diante disso, na quarta a noite (10), o ex-prefeito de São Paulo foi em Brasília para se encontrar reservadamente com Joaquim Barbosa. O presidente do PSB, Carlos Siqueira, também participou do encontro. Vale ressaltar que o ex-ministro da Corte foi o relator do processo do Mensalão que condenou petistas históricos, como José Dirceu, José Genuíno e João Paulo Cunha.

Barbosa quase chegou a ser candidato ao Planalto, mas desistiu em cima da hora. Ele afirmou que está muito preocupado com o país e já fez duras críticas a Jair Bolsonaro. Entretanto, o ex-ministro preferiu não dar um apoio declarado a Haddad. Pode ser que ele ainda esteja estudando o caso.

Frustração com Ciro

Haddad ficou muito preocupado com a viagem de Ciro para a Europa, nesta quinta-feira (11).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Eleições

Ele queria o pedetista mais junto com ele na campanha fazendo uma frente suprapartidária pela democracia.

Há quem diga que Ciro está agindo assim por não ter sido apoiado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando informou que sairia candidato ao Planalto. Seria um tipo de "troco". Porém, permanece a situação de que o pedetista, terceiro colocado no primeiro turno, não quer se envolver a fundo na campanha do segundo turno.

Haddad buscará outros apoios. Segundo as informações, ele estaria atrás do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e da candidata derrotada, Marina Silva (Rede).

"Senha" dada

Alguns aliados de Haddad viram a decisão da viagem de Ciro como uma "senha" dada de que ele não vai se entregar para a campanha do petista. Para se ter uma ideia, a vice da chapa de Ciro, Kátia Abreu, avisou que não apoia o PT em hipótese alguma.

No começo da semana, auxiliares de Haddad teriam tentado acordos com integrantes próximos a Ciro. Contudo, as conversas teriam sido esfriadas e bateu um certo desânimo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo