Eleito para o segundo turno das eleições, Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo Partido dos Trabalhadores, visitou na manhã desta segunda-feira (8) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o qual se encontra cumprindo pena na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O candidato chegou à sede da PF por volta das 11h. Essa é a primeira agenda de campanha do ex-prefeito de São Paulo.

Segundo a colunista Mônica Bergamo, da BandNews FM, lideranças do PT defendem que Lula deve ajudar a definir quais as prioridades de Haddad, tal como as alianças, acordos e os rumos que devem ser tomados visando a uma possível vantagem para o segundo turno, que acontece no próximo dia 28.

Um dos dirigentes do partido, afirmou que o maior desafio será atrair voto de eleitores que rejeitam Bolsonaro, mas ao mesmo tempo são críticos ao PT, mas diz que essa é a prioridade no momento.

Além de Haddad, Lula recebeu visitas de Emídio de Souza, secretário de finanças do PT, e Luiz Eduardo Greenhalgh, advogado ligado ao MST.

Haddad cita Lula apenas uma vez em coletiva de imprensa

Após a visita ao ex-presidente, o ex-prefeito de São Paulo concedeu uma entrevista coletiva que durou cerca de 18 minutos.

Para ele, sua ida a segunda etapa é "um feito". Haddad afirmou que "a defesa do estado de bem-estar social" é o que o difere de seu opositor, além da defesa de um projeto de desenvolvimento com inclusão social.

O nome de Lula foi citado apenas uma vez. Porém não foi mencionado se o petista voltará a visitar o ex-presidente e qual foi sua análise sobre o resultado do primeiro turno.

Setores e eleitores do PT defendem que Haddad deve reduzir suas menções a Lula e passar a conduzir sua campanha de forma mais independente.

O candidato também fez acenos a Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (REDE) e Henrique Meirelles (MDB) durante a entrevista.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lula Eleições

Oposição e apoio

Foram realizados protestos e um panelaço de moradores das redondezas com a chegada do petista ao seu local de votação no último domingo (7). Militantes do PT também se fizeram presentes e responderam às provocações.

"Em dia de eleição é normal esse tipo de manifestação. Desde que ocorra de forma pacífica, não vejo problema algum", disse Haddad.

Após o resultado das votações, o candidato recebeu telefonemas de Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (REDE) e Guilherme Boulos (PSOL). Ciro Gomes já deu sinais de apoio à candidatura do petista.

Antes mesmo do primeiro turno, Haddad já havia pregado esta conciliação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo